Bancos terão de fechar 30% das agências em até 3 anos para manter rentabilidade

Os cinco maiores bancos brasileiros, com quase R$ 8 trilhões de ativos em mãos, precisam enxugar 30% de sua rede de agências físicas em no máximo três anos, aponta estudo exclusivo feito pela consultoria alemã Roland Berger e obtido pelo Estadão/Broadcast. Isso significa fechar as portas de cerca de 5 mil unidades de alvenaria, de um total de 16.704, somados Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco, Santander Brasil e Caixa Econômica Federal, conforme dados do Banco Central do fim de fevereiro.

O fechamento de agências resulta da pressão por corte de custos e eficiência diante do ‘novo normal’ do sistema financeiro, de acordo com a Roland Berger. Se antes essa já era uma realidade com a multiplicação de fintechs, com a pandemia, que acelerou o processo de digitalização dos brasileiros, só fez crescer.

“Os bancos brasileiros vão precisar encerrar pelo menos 30% de suas agências no curto prazo, no máximo, em dois anos. Estamos falando de 5 mil agências dos 5 maiores bancos”, afirma o presidente da consultoria alemã Roland Berger, Antônio Bernardo, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

De acordo com ele, a mudança de comportamento dos clientes a reboque da covid-19 coloca a rentabilidade dos bancos brasileiros, ainda elevada frente aos pares internacionais, na berlinda. O retorno sob o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) já foi afetado com o aumento das provisões para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, reforçadas para fazer frente à inadimplência.

Apesar disso, a rentabilidade dos bancos brasileiros ainda é considerada elevada, na visão da Roland Berger. “Se os bancos brasileiros não se transformarem – e as agências são só uma das mudanças -, a rentabilidade vai baixar mais, ficando menos atrativos para investidores”, diz Bernardo.

Eficiência
Nesse sentido, a busca por eficiência no universo bancário, segundo a consultoria alemã, não consiste em apenas cortar custos e despesas, com o fechamento de agências bancárias. A Roland Berger vê a necessidade de uma reestruturação completa da dinâmica do relacionamento com os clientes.

“A pandemia mudou muito o comportamento de compra dos clientes. Na realidade, o que a gente vê são clientes muito mais digitais. Os bancos, especialmente os grandes, têm de fazer em seis meses o que pensavam em 6 anos”, avalia o presidente da consultoria alemã Roland Berger, Antônio Bernardo, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

Para o especialista, a comparação internacional mostra que as estruturas de agências no Brasil têm muito espaço para otimização. Para se ter ideia, o Bradesco tem mais da metade do número de agências do BNP Paribas, maior banco da União Europeia, conforme a consultoria.

Esse processo no Brasil muda, porém, de um banco para o outro. O Santander Brasil, por exemplo, tem menos agências que seus rivais. Somava 2.710 unidades físicas ao fim de fevereiro, ante 3.391 do Bradesco, segundo o BC. O próprio presidente do espanhol, Sergio Rial, diz que o banco não é um “tema de infraestrutura física” no Brasil.

Os bancos já têm capitaneado uma repaginação de suas agências no País, em um processo que vai da redução de algumas unidades à especialização de outras, com foco em segmentos específicos. Esse movimento, contudo, ainda é muito lento, na opinião de Bernardo, da Roland Berger. Não é só o fechamento, diz, mas a transformação da rede de alvenaria, que terá de ter unidades grandes, no estilo de lojas da Apple, automáticas, e outras com uma pegada mais de consultoria, voltada a investimentos, créditos mais complexos.

“A gente vê esse movimento bem lento. Na realidade, poderia ser um pouco mais acelerado e sempre sob a ótica da omnicalidade [integração de todos os canais de contato disponíveis]”, afirma. “Não interessa onde o cliente é atendido. Ele sempre tem de ser atendido da mesma forma”.

O ESTADO DE S. PAULO