Veja dicas para cortar custos no seu negócio

Folha de S.Paulo –

Em tempos de crise e lucratividade em baixa, a saída para ajustar as contas passa necessariamente pelo corte de gastos.

“É preciso fechar os ralos por onde escoa o dinheiro, tanto nos custos fixos quanto nos variáveis”, diz Lucia Gomes, consultora de negócios do Sebrae-SP.

GUERRA AO DESPERDÍCIO
Analise com lupa os custos relacionados ao dia a dia do ambiente de trabalho e estabeleça metas de redução. “Os colaboradores devem participar. Quem ouve outras pessoas enxerga coisas diferentes”, diz Gomes.

A conta de energia elétrica, por exemplo, tem tirado o sono de muito empreendedor. Se possível, adapte o horário de funcionamento para que não coincida com o período de pico, quando o preço da energia é mais caro.

É possível aderir à tarifa branca. Nessa modalidade, o valor da conta varia de acordo com o horário em que a energia é consumida.

Nos chamados horários de pico e intermediário, o valor cobrado pela energia é superior ao da tarifa convencional. Já no período com demanda mais baixa, a cobrança é menor.

As concessionárias disponibilizam simuladores para que os consumidores confiram se a tarifa branca é vantajosa. A modalidade pode trazer economia de até 15%, mas, se a empresa não controlar os horários e tive um gasto significativo durante o pico de uso, pode ter um aumento de mais de 80% na conta.

Há também companhias que oferecem o serviço de monitoramento de consumo de energia, ajudando empreendedores a identificar as fontes de desperdício. É o caso da Time Energy e da Energia das Coisas.

Vale instalar torneiras com temporizador e sanitários de vazão controlada, que reduzem em até 40% o consumo de água. Outra medida é trocar o telefone, inclusive de atendimento aos clientes, por ferramentas online de comunicação, como as chamadas por WhatsApp, Google Meet ou Zoom.

Por fim, considere trocar o escritório próprio por um coworking, cujo aluguel embute serviços e infraestrutura e pode reduzir o custo do espaço em até 60%.

MENOS PAPEL
Tecnologias baratas e fáceis de usar substituem a papelada, reduzem o tempo que a equipe dedica à burocracia e garantem eficiência —tudo isso resulta em significativa redução de custos, diz Gomes.

O sistema de gestão Omie, por exemplo, permite gerenciar online todas as áreas da empresa, em conexão direta com o contador, facilitando o fechamento do mês e evitando erros.

O pacote Office 365 reúne, online, todas as ferramentas mais usadas da Microsoft. E a ferramenta Trello, também online, permite organizar fluxo do trabalho, tarefas e projetos.

SAÚDE NAS FINANÇAS
É preciso estar atento ao mercado e preparado para negociar sempre. Ser fiel a um fornecedor pode trazer benefícios, mas estar ciente dos preços e condições de outros profissionais ajuda até a renegociar com seu prestador de serviço favorito.

Será, por exemplo, que o seu banco está cobrando tarifas competitivas? Desde que as fintechs aumentaram a concorrência de serviços financeiros, ficou mais fácil obter pacotes vantajosos. A ferramenta gratuita EmConta, do Sebrae, ajuda a fazer as buscas e comparações.

Mesmo princípio vale para o contrato do contador. Startups já oferecem o serviço de contabilidade digital de forma 100% remota e por mensalidades atraentes.

ESTUDO E ATUALIZAÇÃO
Cortar custos de uma empresa sem prejudicar o negócio não é tarefa simples. Os cursos online de controle de gastos do Sebrae, rápidos e gratuitos, são um bom meio de avaliar seu conhecimento sobre o assunto —há aulas específicas para os setores de serviço, comércio e indústria.

Também produzida pelo Sebrae, a publicação “Enxugue sua empresa e lucre mais: sete dicas para eliminar desperdícios e entregar mais valor ao seu cliente” segue a filosofia Lean, ou Lean Thinking, que visa a enxugar não só a empresa como a mentalidade dos equipes.

Se ainda estiver difícil desvendar a teia dos custos, busque uma consultoria. “O Sebrae já está com 99% das unidades abertas, oferecendo atendimento presencial e online, se o cliente preferir. Podemos ajudá-lo a passar um verdadeiro pente fino nos custos”, afirma Gomes.