Grandes empresas não planejam adotar cortes de jornada e salário

Algumas das grandes empresas do país não planejam aderir à nova rodada do programa de corte de salário e jornada liberada pelo governo federal na semana passada. Companhias como Nestlé e Ambev dizem que não pretendem adotar a medida. No Magalu e na BRF, dona da Sadia, não há nada definido por ora. Até no setor aéreo, que foi um dos primeiros a lançar o movimento no começo da pandemia, a Azul afirma que está fora do radar.

No setor automotivo, a Honda, que aderiu ao programa do governo no ano passado, afirma que não tem previsão de novas reduções de jornada e salário ou suspensões de contrato. Os cortes também não estão nos planos da Renault neste momento, mas a fabricante diz que “vale lembrar que estamos em um cenário de grande instabilidade”.

A Renner também pondera, mas afirma que não vai adotar as reduções agora. “Se as medidas de restrição e do funcionamento do comércio forem ampliadas, a decisão pode ser revista”, diz em nota. ​

O Ministério da Economia divulgou nesta quinta (6) um balanço que aponta mais de 500 mil acordos de suspensão temporária de contratos de trabalho ou corte de jornada e salário. A expectativa do governo é que neste ano sejam realizados cerca de 5 milhões de acordos.

FOLHA DE S. PAULO