city, bridge, drawbridge-3836765.jpg

São Paulo lidera entre as melhores cidades para empreender no Brasil; veja ranking

O Estado de S.Paulo

São Paulo, Florianópolis e Curitiba são as melhores cidades para empreender no País, segundo o novo Índice de Cidades Empreendedoras, pesquisa produzida pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), com apoio da Endeavor. Os municípios que melhoraram o desempenho de 2020 para 2021 e passaram a integrar o top 10 da lista (quadro ao lado) são Belo Horizonte, Joinville e Cuiabá, além de Curitiba.

Já Rio de Janeiro, Brasília, São Bernardo do Campo e Jundiaí deixaram as 10 primeiras colocações do ranking, que mostra o desempenho dos 101 municípios mais populosos do País.

Porto Alegre subiu da 9.ª para 6.ª posição, enquanto Osasco caiu do 3.º para o 8.º lugar. O Estado de São Paulo, que tinha cinco cidades nas primeiras colocações, tem agora apenas três.

Referência
O resultado da pesquisa, que é divulgado hoje, é o principal raio X do ambiente de negócios no Brasil. O panorama de 2021 mostrou um avanço do empreendedorismo em cidades menores fora do eixo Sul e Sudeste, com destaque para o Centro-Oeste e também experiências bem-sucedidas relevantes no Nordeste e Norte.

Os pesquisadores medem sete fatores determinantes para definir a posição no ranking: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, capital financeiro, inovação, capital humano e cultura empreendedora.

Maior e mais rica cidade do País, São Paulo é campeã em quase todas as áreas, mas perde feio quando o assunto é capital humano. Nesse ponto, a cidade com o maior Produto Interno Bruto está na 57.ª posição, uma sinalização, segundo os pesquisadores, de que a capital precisa melhorar o desempenho educacional de seus moradores. Já a saída do Rio de Janeiro da lista se deve ao fato de que a cidade pontua mal em itens com grande peso, como infraestrutura e capital humano. Brasília piorou em ambiente regulatório, inovação e capital humano.

Para o presidente da Enap, Diogo Costa, as experiências devem ser replicadas no contexto pós-pandemia da covid-19 num cenário econômico em que o empreendedorismo é o motor da produtividade e do crescimento econômico do País. “Toda a transformação digital, ambiental e social que precisamos enfrentar começa com uma transformação empreendedora”, afirma.

As planilhas com as pontuações ficarão abertas na internet para orientar os gestores na busca por um melhor ambiente de negócios. “Os municípios poderão olhar se os outros melhoram mais do que eles e no que uma cidade é mais ou menos competitiva”, diz Diana Coutinho, diretora de Altos Estudos da Enap, que destaca que o empreendedorismo faz a economia do País ser mais efervescente.

Na área da avaliação do ambiente regulatório, chama atenção a entrada das cidades como Várzea Grande (MT), Cuiabá (MT), Joinville (SC), Blumenau (SC) e Porto Velho (RO) no topo da lista. Segundo Camilla Junqueira, diretora geral da Endeavor, essas são cidades com pouca burocracia e que têm valores de taxas e tributos locais bem atrativos.

A pesquisa identificou boas oportunidades no ambiente regulatório com melhores alíquotas tributárias de IPTU, ISS e ICMS em Macapá (AP), Campos dos Goytacazes (RJ), Ananindeua (PA) e Porto Velho (RO). Já na simplicidade tributária, como emissão on-line de certidões negativas de débitos e legislação de zoneamento municipal atualizada, são melhores avaliadas São Paulo, Guarujá (SP), Praia Grande (SP) e São Gonçalo (RJ).

Em relação à infraestrutura de transporte e condições urbanas, os municípios de São Paulo são os mais bem posicionados e praticamente dominam o ranking. Isso foi observado no relatório anterior. Brasília, Porto Alegre, Rio Branco e Florianópolis subiram de posição. Essa área está relacionada à boa conectividade por rodovias, menores distâncias de portos e maior número de decolagens de avião por ano. É o caso também de amplo acesso à internet rápida, bom preço médio de imóveis por m2 , custo de energia elétrica satisfatório e baixa taxa de homicídios (já que estudos mostram que o comércio é o principal grupo afetado pela violência e criminalidade).