hourglass, time, hours-620397.jpg

Inflação de Serviços fica no centro da meta em 2021

Confederação Nacional de Serviços

A inflação do setor econômico de Serviços registrou elevação de 4,75% no acumulado do ano e 0,79% a.m. em dezembro, 2.021, conforme medição do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Neste período, o IPCA apresentou alta acumulada de 10,06%, em 12 meses, sendo 0,73% no mês de dezembro.

A inflação de serviços foi particularmente afetada pela pandemia. À medida que o distanciamento social se reduziu em 2021, impulsionado pelo significativo progresso na vacinação contra a covid-19, a reativação do setor de serviços levou a um realinhamento dos preços, implicando aceleração da inflação de serviços para 4,75% em 2021. Uma parcela da inflação de serviços em 2021 está relacionada à normalização, em nível, de preços que estavam deprimidos em decorrência dos impactos específicos da crise sanitária.

 Destaca-se também que, ao longo de 2021, a redução do distanciamento social, associada ao avanço substancial da vacinação contra a covid-19 e ao arrefecimento da crise sanitária, foi um estímulo às atividades de serviços particularmente afetadas pela pandemia, o que permitiu a recomposição de seus preços.

 A inflação mais acelerada em 2021 enseja ainda maior atenção da autoridade monetária na condução da política monetária, corroborado pelo discurso mais rígido do Copom com elevação da Selic.

Dado o efeito esperado da trajetória mais elevada dos juros sobre os preços ao consumidor, esperamos que nos próximos meses o IPCA inicie uma trajetória de desaceleração, contudo, fazendo o IPCA convergir para o centro da meta para inflação apenas em 2023.

Acesse a análise na íntegra aqui