Empresário que vai receber Bolsonaro em jantar diz que evento não terá tom de crítica

O empresário Washington Cinel, que vai ser o anfitrião do jantar para Bolsonaro e um grupo de grandes empresários nesta quarta (7), diz que o evento não vai ter tom de crítica.

Questionado pelo Painel S.A. se a crescente insatisfação do empresariado com o governo federal vai levar tensão ao encontro, ele nega.

“Nós estamos aqui para fazer uma agenda positiva e resolver os problemas. Não é para trazer crise. Aqui é papo construtivo. Tudo o que for para construir para o Brasil vai ser falado e pedido”, diz Cinel, que é dono de negócios em ramos como segurança, a Gocil, e alimentício, a Broto Legal.

O empresário também espera receber em sua casa os ministros Paulo Guedes (Economia), Tarcisio de Freitas (Infraestrutura) e Fabio Faria (Comunicação), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. A pauta econômica também está nas prioridades do evento, mas o foco da conversa, segundo Cinel, vai ser a vacinação em massa como solução para destravar as atividades paradas de destravar a economia.

“Se não tem vacina, é outro problema. A gente tem que buscar o ânimo de vacinar o quanto antes para voltar a atividade econômica o quanto antes. Mas virá a vacina. Logo vamos ter outros laboratórios já produzindo. Eu acredito que até agosto ou setembro vamos conseguir vacinar quase todo mundo”, afirma.

Cinel é a favor da compra de vacinas por empresas privadas para antecipar a imunização de empregados. Entre os convidados estão nomes como Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), André Esteves (BTG), Rubens Ometto (Cosan), Abilio Diniz (Península) e Flávio Rocha (Riachuelo) para dar sequência a uma conversa que começou no mês passado com os presidentes da Câmara e do Senado também na casa de Cinel.

Ele é uma figura de presença frequente nos eventos da elite empresarial. Além do diálogo próximo com vários setores privados, transita por diferentes espaços da política, com acesso a nomes como Bolsonaro e Doria. Cinel é o presidente do Lide Segurança, um dos capítulos do grupo de empresários fundado por Doria. Também é formado pela Academia da Polícia Militar do Barro Branco, já atuou como oficial da PM e integrou a equipe especial de tiro.

FOLHA DE S. PAULO