calculator, calculation, insurance-385506.jpg

Conheça os novos benefícios: de apoio à adoção a palestras sobre fracasso

UOL

Julia Moióli

A executiva Salma Bakhit sempre quis ser mãe, mas sua carreira corporativa fez com que adiasse o plano. Quando deu início à adoção da filha, em setembro de 2019, foi uma das primeiras funcionárias da farmacêutica MSD no Brasil a se beneficiar do Projeto Adoção, que, além de apoio psicológico e jurídico, oferece um benefício no valor de R$ 15 mil para despesas relacionadas ao processo.

“Só o fato de a empresa ter uma política específica para o tema já sinaliza muito sobre como acolhe seus colaboradores, mas quando qualquer tipo de adoção é respeitado —no meu caso, adotei sozinha uma criança adolescente—, você sente o real valor da inclusão”, acredita a diretora médica executiva para América Latina. “Receber esse apoio me ajudou a suportar os momentos mais difíceis da adoção, no meio da pandemia.”

A história de Salma é um exemplo de como cada vez mais as empresas se preocupam em oferecer aos colaboradores cuidados que vão além do tradicional combo: plano de saúde + vale refeição. A estratégia faz com que elas se destaquem como ambientes de trabalho saudáveis e atrativos e ainda reforça a aproximação com os clientes —no caso da MSD, o tema fertilidade é um valor importante em seu ecossistema.

“Vivemos tempos de mudanças e precisamos nos adequar em termos de equidade e inclusão, para considerar toda a diversidade que temos na companhia”, acredita Elisa Mendoza, diretora de RH da MSD. “Além de nos fortalecer como marca empregadora, deixamos claro para os funcionários que eles são nosso principal ativo.”

“Se não olharmos com atenção para o contexto dos colaboradores e nos mantivermos restritos a apenas benefícios que a área de RH ou a liderança acreditem fazer sentido, perdemos a chance de fazer a diferença”, completa Lais Mastantuono, diretora de RH da farmacêutica japonesa Astellas.

A empresa fortaleceu, recentemente, os cuidados oferecidos na área de saúde com o Dr. Aon, serviço de teleorientação para que funcionários e dependentes diretos diagnosticados com doença grave possam solicitar uma segunda opinião gratuita. Para isso, uma equipe médica especializada trabalha 24 horas na revisão de exames e prescrições médicas, esclarece dúvidas e identifica novas recomendações.

Com a preocupação de garantir o vínculo da amamentação, a Kimberly-Clark criou uma política de viagem específica para mães lactantes: quem amamenta filhos de até 12 meses e precisa viajar a trabalho pode levar junto a criança e um acompanhante com as despesas pagas pela companhia. “Ações como essa ajudam a manter o equilíbrio entre vida pessoal e reforçam nossa missão de oferecer, não só aos clientes, mas também a nossos colaboradores, um melhor cuidado para um mundo melhor”, acredita o diretor de recursos humanos Felipe Balbino.

Outra estratégia adotada para cuidar dos funcionários tem sido a formação de grupos para debate e troca de experiências. Recentemente, a farmacêutica Takeda criou, a partir de sugestões internas, um comitê dedicados a parentes e cuidadores (para colaboradores que têm dependentes —crianças, adultos ou idosos— sob a sua responsabilidade).

Outro comitê se dedica a religiosidades e espiritualidades (para aprofundar o olhar e o conhecimento sobre as diversas possibilidades de exercê-las). “Nosso objetivo é construir um ambiente inclusivo, diverso e livre de discriminação, onde as pessoas se sintam seguras e respeitadas e possam prosperar, crescer e atingir seu potencial máximo”, afirma Eliane Pereira, diretora executiva de RH.

Mais tecnologia, mais possibilidades de benefícios

Na busca por oferecer cuidados diferenciados, algumas companhias têm recorrido a soluções prontas de tecnologia. “Antigamente, cada benefício extra implicava em uma operação mais complexa por parte do RH, mas a tecnologia veio para mudar isso”, acredita Antonio Rocha, CEO da Onze, fintech que criou uma plataforma focada em oferecer orientação financeira e previdência privada como benefício corporativo.

“A tecnologia facilita a maneira como as pessoas buscam e utilizam produtos e serviços”, concorda Viviane Sales, VP de Creditas @Work, plataforma digital de benefícios e soluções financeiras corporativas. A empresa, que já inovava ao oferecer adiantamento salarial sob demanda para empresas, passou a operar com PIX, mais rápido e fácil, no ano passado e viu o número de pedidos subir 244%.

Outra startup que tem aproveitado a demanda por benefícios inovadores é a Férias&Co. Todos os meses, as empresas clientes investem em uma colaboração (em média, R$ 100) para que os funcionários possam reservar passagens e hospedagens na plataforma. Além de usar o crédito depositado pelo empregador, o funcionário pode adicionar extras.

Elogios, sucessos e fracassos

Embora cuidados relacionados a família, bem-estar e saúde estejam em alta, especialmente em decorrência da pandemia de covid-19, há companhias dedicadas em reconhecer os esforços das equipes de forma inovadora.

Na Siemens Energy, o destaque é o Programa STAR, acrônimo para “Share Thanks And Recognition” (em inglês, compartilhe agradecimento e reconhecimento), que quer dar fôlego à cultura de reconhecimento a comportamentos e desempenhos extraordinários.

Por meio dele, qualquer funcionário pode postar mensagens positivas para um colega e sugerir recompensas e prêmios em pontos, dinheiro ou cartões eletrônicos. “Os tópicos de reconhecimento estão relacionados a valores da companhia, o que também contribui para reforçarmos nossa cultura”, diz a líder de RH Andreia Balbino. Nos últimos seis meses, mais de mil colaboradores foram reconhecidos pela plataforma STAR.

A startup de mobilidade Buser vinculou uma recompensa a um tema que valoriza, que é a prática de atividade física. Para receber o “Bônus Esporte”, é preciso exercer uma carga horária mínima de exercícios durante o mês: quatro horas por semana durante três semanas rendem 5% de aumento no salário e por quatro semanas, 10%. De acordo com a empresa, a adesão é de mais de 80% entre os 500 funcionários.

Já a Kraft Heinz dedica uma sexta-feira por mês para ações de desenvolvimento, nas quais, além de trazer especialistas para palestras de letramento, acontecem as fail conferences (em português, literalmente, conferências de fracasso). Durante esses encontros, funcionários se voluntariam a falar sobre seus insucessos, respondem perguntas e discutem aprendizados. O feedback geral dos funcionários é de que a exposição traz humanização e ajuda a melhorar a vida e o ambiente de trabalho de toda a companhia.

“Normalmente gostamos muito de contar sobre nossos sucessos, por que somos bons e como as coisas que fizemos funcionaram, mas nesse dia a ideia é falar sobre fracassos e que tipo de aprendizado eles geraram na carreira”, conta Flavia Caroni, VP LATAM de People. “Desmistificamos a cultura organizacional da perfeição, afinal, o erro nunca é intencional – ele acontece justamente porque tentamos fazer melhor e isso tem tudo a ver com a nossa cultura de inovação.”

Lugares Incríveis para Trabalhar

O Prêmio Lugares Incríveis Para Trabalhar é uma iniciativa do UOL e da FIA para reconhecer as empresas que têm as melhores práticas em gestão de pessoas. Os vencedores são definidos a partir da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx), que mede a qualidade do ambiente de trabalho, a solidez da cultura organizacional, o estilo de atuação da liderança e a satisfação com os serviços de RH. As inscrições para a edição 2022 estão abertas e vão até 30 de maio.

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/04/20/conheca-os-novos-beneficios-de-apoio-a-adocao-a-palestras-sobre-fracasso.htm