• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

23/09/2019 | Investidores externos apostam no Brasil em 2020 - O Estado de S. Paulo

O megainvestidor americano Ray Dalio, fundador, copresidente e codiretor de investimentos da Bridgewater, que administra um dos maiores fundos de hedge do mundo, aposta que, em 2020, com a retomada do crescimento, a Bolsa brasileira terá um dos melhores desempenhos do mundo.

Segundo um relatório produzido pela empresa para a clientela, o Brasil deverá acentuar a retomada no ano que vem, deixando para trás, enfim, os resquícios da recessão que terminou formalmente em 2016, mas deixou um rastro de destruição cujos efeitos se fazem sentir até hoje. “Considerando que os preços já incorporaram um desconto pelos equívocos do governo na administração e pela fraqueza da economia, acreditamos que há um espaço considerável para os ativos brasileiros surpreenderem pelo lado positivo”, diz o relatório.

De acordo com o diretor executivo de Tesouraria e Mercados Globais do Itaú Unibanco, Christian Egan, diversos gestores de portfolio, que não vinham ao Brasil há dois ou três anos, estão desembarcando aqui para visitar empresas e checar como está o ambiente em Brasília. Egan afirma que, hoje, o Brasil leva vantagem na América Latina, porque seus dois principais concorrentes, o México e a Argentina, estão em situação muito pior.  “Em decorrência da desaceleração global e da guerra comercial entre Estados Unidos e China, a gente vai começar a colher esses frutos um pouco mais tarde do que se imaginava ou com uma intensidade um pouco menor”, diz. 

Na avaliação de Egan  ainda há muito espaço para aumentar a alocação para o Brasil dos fundos globais, nos quais o País chegou a representar 2,5% em média da carteira nos idos de 2010 e hoje tem uma fatia de 0,8%. O mesmo se pode dizer, segundo ele, em relação aos fundos internacionais de mercados emergentes, nos quais o Brasil chegou a representar 16% da carteira, em 2008 e agora está próximo de 8%. “Se houver crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), o case Brasil será muito forte”, afirma.

De acordo com Egan, ainda é cedo para dizer se os sinais mais vigorosos de retomada observados neste terceiro trimestre vão impactar as projeções do banco para o PIB de 2020, hoje de 1,7%. Eles mostram, porém, em sua avaliação, que há um viés “claramente positivo” em relação à situação de um mês atrás, reforçado pela queda dos juros no País, que só agora está começando a ser sentida na economia.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02