• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

02/09/2019 | Trabalho para os mais velhos (Sérgio Amad Costa) - O Estado de S. Paulo

O envelhecimento da população brasileira é fato e causa preocupação quanto ao futuro da Nação. Trata-se do resultado, por um lado, da redução da taxa de natalidade e, por outro, do aumento da expectativa de vida, em razão das melhorias no campo da saúde. Nota-se, agora, maior disposição das pessoas mais velhas de continuarem a trabalhar e o início de um movimento, embora ainda parco, de empresas que valorizam a senioridade de profissionais que já alcançaram a época da aposentadoria.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) mostra que o segmento com 60 anos ou mais, em 2004, era de 9,7% da população total; em 2009, 11,3%. E nesta década a tendência ao aumento se mantém. Em 2012, a população com 60 anos ou mais era de 25,4 milhões; em 2016, 29,5 milhões; e encerramos 2017 com 30,2 milhões. Os 4,8 milhões de novos idosos, em cinco anos, significam um acréscimo de 18% desse grupo etário, que se tem tornado cada vez mais representativo no Brasil. Trata-se de um processo irreversível. Há estudos que apontam que em meados deste século teremos mais idosos do que jovens no País.

No início da década de 1990, a expectativa de vida no Brasil era, em média, de 66 anos de idade; em 2005 foi para 71,8 anos; em 2012, 73,5 anos; e hoje, 75,8 anos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 77 anos, de 1940 a 2017, a expectativa de vida no Brasil aumentou 30 anos. Cumpre observar que estamos tratando o assunto no tempo presente. Porém, se formos pensar nas nossas próximas duas gerações, o salto na expectativa de vida será muito mais significativo. Vale ler a respeito desse tema as reflexões de Yuval Noah Harari em Homo Deus (editora Companhia das Letras, 2016). Embora seus prognósticos sobre expectativa de vida sejam para a humanidade em geral, é válida sua visão, num mundo globalizado, para a realidade brasileira.

Esse aumento no tempo de vida das pessoas faz com que, na maioria dos países, sejam repensados os atuais conceitos de aposentadoria. O Japão, por exemplo, lidera o ranking das nações em termos de expectativa de vida, com uma média de 83,7 anos. Dos 34 milhões de japoneses com 65 anos ou mais, um número considerável deles ainda trabalha e depoimentos revelam que eles não pensam em parar.

O Brasil, embora ainda de forma tímida, parece estar seguindo esse exemplo do país do sol nascente. Os números traduzem essa disposição de profissionais em idades mais avançadas de continuar trabalhando. Em 2000, segundo o IBGE, 3,3 milhões de pessoas com mais de 60 anos faziam parte do mercado de trabalho e em 2010 esse número aumentou para 5,4 milhões. Na década atual, a participação continuou a crescer. Apesar de os idosos serem o grupo com menor inserção no mercado, o porcentual em relação a todos os grupos etários vem aumentando, passando de 5,9% em 2012 para 7,2% em 2018, o que significa 7,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos na força de trabalho.

Essa mudança positiva no mercado de trabalho é revelada também em notícias de que empresas no Brasil, embora poucas, mas já é um começo, estão valorizando a experiência, contratando um número maior de profissionais mais velhos. E isso não só para cargos técnicos, mas também para gerência e diretoria. Os principais motivos são a disposição e o amplo conhecimento técnico desses profissionais. Há até empresas de ponta abrindo vagas para estagiários com mais de 50 anos de idade, possibilitando a chance de um novo ciclo de carreira. Essa iniciativa é positiva, pois ajuda a aculturar as pessoas no contributo dos profissionais seniores no trabalho.

Pois bem, razões para o início dessa mudança de empregabilidade, para profissionais seniores, são várias. Cito três.

A primeira é que essas pessoas com idade mais avançada são, em geral, trabalhadores qualificados e com muita experiência para agregar à empresa. Há importante literatura sobre técnicas de liderança que ressalta o valor da experiência no mundo profissional. Entre vários outros, destaco De Volta ao Mosteiro, de James C. Hunter (Editora Sextante, 2014).

A segunda razão é que nessa fase da vida as pessoas, em geral, estão resolvidas socialmente. Já constituíram família, criaram filhos e acabam se concentrando com mais facilidade nos desafios apresentados pelo trabalho.

A terceira está nas novas tecnologias utilizadas nas companhias. Elas possibilitam que as tarefas sejam quase totalmente intelectuais, facilitando o trabalho para os mais velhos. A labuta, hoje, numa infinidade de atividades muito pouco exige em termos de esforço físico.

Estudos científicos salientam que um dos principais fatores associados ao aumento da longevidade humana e para se manter mais saudável, até mesmo do ponto de vista neurológico, é o envolvimento com o trabalho. Recorro, novamente, ao exemplo do Japão. No início desta década, Nagano, uma província no centro do país, contava, proporcionalmente, com o maior número de idosos trabalhando entre todas as prefeituras do Japão e era onde se gastava menos com saúde. Já a cidade de Fukuoka tinha um número bem pequeno de trabalhadores mais velhos e altos custos com saúde.

Muito se fala hoje na importância de promover a diversidade dentro do mundo corporativo, visando ao bem social e ao aumento do potencial das equipes de trabalho. E por que não incluir, nessa diversidade, os mais velhos? Urge, também, começar a eliminar preconceitos em relação aos profissionais senescentes. E isso pode ser realizado por meio de campanhas educacionais, estimulando um número maior de companhias a dar oportunidade para que pessoas com idades mais avançadas continuem trabalhando.

Não se trata de caridade, pois é bom para o País, é bom para a economia, é bom para as empresas e é bom para os mais velhos.

*PROFESSOR DE RECURSOS HUMANOS E RELAÇÕES TRABALHISTAS DA FGV-SP

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02