• SINDEPRESTEM e FENASERHTT recebem amigos e parceiros em Almoço de Confraternização
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

21/07/2017 | Indústria ataca aumento de tributo e defende novos cortes de gastos - Folha de S.Paulo

Associações da indústria criticaram a decisão do governo Michel Temer de aumentar a tributação sobre os combustíveis. A alíquota sobre a gasolina deve dobrar, enquanto a sobre o diesel e o etanol devem subir R$ 0,21 e R$ 0,19 por litro, respectivamente.

A medida foi adotada para aumentar a arrecadação de impostos, que continua fraca em razão do nível baixo de atividade econômica. A estimativa é que o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis resulte em receitas adicionais no valor de R$ 10,4 bilhões.

Em resposta, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) resgatou o pato, símbolo da campanha contra a recriação da CPMF em 2015 e nos protestos pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

"Não cansaremos de repetir: Chega de Pagar o Pato. Diga não ao aumento de impostos! Ontem, hoje e sempre", diz a nota divulgada pela entidade.

A federação argumenta que o aumento do tributo vai recair sobre uma sociedade "já sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo", o que vai levar a um agravamento da crise econômica.

"Todos sabem que o caminho correto é cortar gastos, aumentar a eficiência e reduzir o desperdício", diz o texto assinado pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) também defendeu que o governo ajuste suas contas cortando gastos no lugar de aumentar impostos.

Em nota, a entidade diz que o aumento "penalizará ainda mais as empresas, que estão com as finanças debilitadas pela recessão".

"A elevação dos tributos drena recursos do setor privado para o setor público. Provoca o aumento dos custos das empresas e reduz o poder de compra das famílias, o que prejudica o crescimento da economia", afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

A organização cobra ainda que o governo acelere as reformas, sobretudo a da Previdência –parada na Câmara desde a divulgação da gravação de conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista, dono da JBS. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02