• LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

05/07/2017 | Mais de 40% das empresas admitem que crise política afetará investimentos - Valor Econômico

Quase metade das empresas brasileiras devem diminuir o ritmo dos investimentos por causa dos desdobramentos da crise política. A conclusão é de uma sondagem elaborada pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), que ouviu mais de 4 mil empresários de quatro setores sobre o peso da turbulência causada após a delação da JBS vir à tona, no dia 17 de maio. O estudo mostrou que 43,9% dos entrevistados afirmam que os investimentos serão negativamente afetados pela crise política.

O setor mais afetado foi o de construção civil. De acordo com a sondagem, 56,2% dos empresários desse segmento afirmaram que os investimentos serão negativamente afetados pela crise. Na indústria de transformação, a fatia é de 34,7%, enquanto no setor de serviços — o mais importante da economia — o percentual é de 46,4%.

A pesquisa avaliou também o efeito das delações na disposição das empresas em contratar. Nesse caso, 36,1% afirmaram que a crise política afeta negativamente as decisões de contratações. Novamente, o setor de construção civil foi o que apresentou pior resultado, com 40,8% dos entrevistados prevendo uma diminuição no ritmo de admissões por causa da turbulência em Brasília.

Para Aloísio Campelo, superintendente de estatísticas públicas do Ibre/FGV, o dado deve ser observado com cautela, mas mostra que o efeito JBS já tem potencial de mexer com a economia real. Em junho, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) registrou queda de 2,1 pontos, chegando ao menor nível desde fevereiro.

— Essa queda foi expressiva o suficiente para alterar a tendência (do índice de confiança) e dá um sinal de que as expectativas estão mudando, mas para ter um impacto redutor no PIB tem que se estender por um tempo — afirma o economista.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02