• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

28/06/2017 | Indústria cortou 642 mil vagas de trabalho em 2015, aponta IBGE - O Estado de S.Paulo

Em 2015, ano em que a recessão da economia se aprofundou, as indústrias extrativa e de transformação cortaram 642.138 postos de trabalho e viu o número de total de empresas cair para 325.277, com o fechamento de 8.462 firmas em relação a 2014. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual (PIA) 2015, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 28. 

Segundo o IBGE, as empresas industriais empregaram 8,2 milhões de trabalhadores em 2015. Em 2014, eram 8,8 milhões de empregados. O corte de vagas de trabalho foi concentrado nos setores de vestuário, fabricação de veículos e fabricação de máquinas e equipamentos.

"O ano de 2015 foi marcado por uma conjuntura de retração na atividade econômica, intensificado pela trajetória de resultados negativos do índice de volume do Produto Interno Bruto (PIB)", diz o relatório da PIA 2015, chamando atenção para a profundidade da recessão. "A taxa acumulada do PIB, ao longo do ano, recuou 3,8% em 2015, a maior da série histórica iniciada em 1996", afirma o texto.

As empresas do setor industrial apontaram, em 2015, receita líquida de vendas de R$ 2,8 trilhões, com uma média de R$ 8,6 milhões por empresa, informou o IBGE. Os gastos de pessoal alcançaram R$ 422,9 bilhões, enquanto os investimentos realizados para o ativo imobilizado somaram R$ 193,3 bilhões, uma queda de 13,0%, em termos nominais (sem descontar a inflação), verificada especialmente nos setores de refinaria de petróleo, extração de petróleo e de minerais. 

 

Receita bruta cai. Em meio à crise, as empresas industriais passaram a obter menos receita de atividades produtivas em 2015, segundo a PIA. 

 

Conforme o estudo, o total das receitas brutas das empresas industriais atingiu R$ 3,8 trilhões em 2015, alta nominal (sem descontar a inflação) de 4,9% ante 2014. Como a inflação daquele ano elevada (10,67% ao consumidor, conforme o IPCA), a receita teve queda real.

 

Desse valor, a venda de produtos e serviços foi a maior fonte das receitas em 2015, com 78,8% do total, perda de 4,3 pontos porcentuais frente à participação de 2014. A receita proveniente da revenda de mercadorias e prestação de serviços não industriais aumentou sua participação em 0,5 ponto porcentual, enquanto as receitas das atividades não produtivas cresceram 3,8 pontos porcentuais 11,2% do total.

 

Conforme a PIA 2015, as cinco atividades com maior participação no total das receitas brutas das empresas industriais responderam por 56,1% do total (ante 54,9% em 2014).

 

Os cinco setores são: Fabricação de produtos alimentícios; Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis; Fabricação de produtos químicos; Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias; e Metalurgia.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02