• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

27/06/2017 | Um acerto com o futuro - Folha de S.Paulo

ARTIGO

ROBSON BRAGA DE ANDRADE E PEDRO WONGTSCHOWSKI

 

Quando decidimos lançar a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), em 2008, éramos poucos. Hoje reunimos centenas de empresas e lideranças comprometidas com o futuro, que assumem riscos, inovam e movem o Brasil.

 

Fizemos mais. Alcançamos parte do que nos propúnhamos no Manifesto pela Inovação de 2009. Nele, firmamos compromisso de vencer esse desafio.

 

É papel do setor privado ser o protagonista desse projeto. É nossa responsabilidade, pois inovação é o pilar do sucesso de cada empresa, uma exigência dos consumidores e uma alavanca para a competitividade.

 

Colaborando com o setor público, melhoramos nossas políticas, ganhamos foco e estimulamos uma cooperação inédita entre agências públicas, como o Inova Empresa. Criamos instrumentos, como a Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) e os institutos Senai de inovação, e fortalecemos a educação profissional.

 

Mas o quadro mudou, e muito, com a crise. Nosso plano, hoje, para empresas, sociedade e governo, é necessariamente um ajuste de contas: regras rígidas para os orçamentos futuros, compromisso com a responsabilidade fiscal, reforma trabalhista e reforma da Previdência.

 

São medidas para dar um rumo ao país e retomar o crescimento. Essa era uma agenda esquecida, mas sem a qual o nosso futuro será dúbio e incerto, não nos permitindo diminuir pobreza e desigualdades.

 

Estamos fazendo um grande ajuste de contas com o passado. Agora, precisamos saber como será nosso acerto com o futuro. Uma nova e dramática revolução industrial bate à nossa porta. Não estaremos alheios a ela. Se nada fizermos para nos adequar às mudanças, essa revolução nos condenará ao esquecimento.

 

A digitalização da manufatura, a rastreabilidade dos processos, a computação em nuvem e a robótica colaborativa, entre outros processos que são a base da indústria 4.0, dão margem à integração entre o mundo real e o digital.

 

O redesenho do chão de fábrica, das cadeias de suprimento e da logística traz ganhos extraordinários de produtividade e permite customizar a produção, além de atender a transformações na demanda. A manufatura aditiva, a internet das coisas e a inteligência artificial potencializam tudo isso.

 

Essas mudanças possibilitarão novos modelos de negócios e integração entre indústria e serviços. Transformarão todas as atividades econômicas e impactarão a estrutura de emprego e os requisitos de qualificação profissional. Exigirão políticas que minimizem os custos de transição.

 

O Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, que ocorre nesta semana em São Paulo, mostra que o setor privado brasileiro quer liderar essa modificação de atitude no Brasil, renovando os compromissos com nossas empresas e com o país.

 

Compromisso de se engajar na nova revolução industrial; compromisso de trazer a inovação para o plano estratégico das empresas; compromisso de difundir esses conceitos na cadeia de valor; compromisso de manter um diálogo aberto com o governo.

 

A revolução tecnológica que balança as estruturas de toda a economia nos coloca imensos desafios, mas traz oportunidades e possibilidade de criar novos negócios, de explorar alternativas novas e de construir novas trajetórias.

 

Isso requer coragem e determinação. Coragem de assumir nossas responsabilidades. Coragem de quem tem por missão aceitar riscos e inovar. Determinação de perseverar na Mobilização Empresarial pela Inovação.

 

ROBSON BRAGA DE ANDRADE, empresário, é presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria)

 

PEDRO WONGTSCHOWSKI, engenheiro químico, é vice-presidente do Conselho de Administração da Ultrapar

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02