• LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

21/06/2017 | Derrota no Senado mostra que governo se 'distraiu', dizem analistas - O Estado de S.Paulo

Economistas que acompanham o ajuste ficaram surpresos com a derrota da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. A proposta perdeu por um voto – foram dez a nove no placar final. Há consenso de que sinalizou “falta de articulação do governo” em relação a uma questão vital. A expectativa é que sirva de alerta.

 

“Não foi o fim do mundo, mas uma boa comida de bola: o governo mostrou que está tão preocupado com outras questões que não prestou atenção no que acontecia com a reforma trabalhista”, disse Evandro Buccini, economista-chefe da gestora de recursos Rio Bravo Investimentos.

Buccini acredita que o governo pode se recuperar e ganhar no plenário do Senado – e recomenda atenção para os articuladores que estão muito confiantes em relação à calmaria do mercado financeiro. Apesar de os indicadores mais sensíveis ao humor dos analistas não terem sofrido uma reviravolta, está claro que a indisposição com o Brasil é visivelmente crescente desde a divulgação da gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer. 

“As mudanças são graduais, mas estão aí: na véspera da divulgação da gravação, o dólar estava na casa de R$ 3,10, agora está em R$ 3,30; a curva de juros de curto prazo está baixa, mas no longo prazo está ficando mais inclinada, o que indica que a percepção de risco está piorando; a única coisa que realmente ajuda o governo é a inflação baixa por causa da recessão”, diz Buccini.

 

A economista-chefe da gestora XP Investimentos, Zeina Latif, também acredita na possibilidade de recuperação, mas lamentou a derrota. “Não é questão de jogar a toalha, mas a derrota numa simples comissão passou a imagem de um governo desarticulado”, disse ela.

 

Na avaliação de Zeina, a reforma trabalhista será aprovada e algumas medidas da reforma da Previdência irão passar. Não existiria a possibilidade de, no curto prazo, o País ser vítima de uma onda de mau humor equivalente a registrada no período pré-impeachment. “Apenas um desastre eleitoral, com a posse de um novo presidente completamente desvinculado das reformas e o ajuste fiscal poderia nos levar a um cenário de tamanha deterioração”, diz. 

Positivo. A derrota, por outro, pode ter um efeito positivo, na avaliação do especialista em finanças públicas, Raul Velloso, se o governo deixar de lado o clima de já ganhou no Congresso e retomar a atenção. “Essa derrota serve como alerta para o governo: ele não pode se distrair e considerar o jogo ganho, mesmo que seja uma derrota por um voto – precisa ter em mente que também poderia ter ganho por um voto e não foi o que aconteceu”, diz ele. 

 

Velloso reforça que o cenário iria piorar sem aprovação da reforma trabalhista. “Essa reforma pede apenas maioria simples e se Temer perder nessa, esquece, vai perder a da Previdência – e não sou apenas eu que estou dizendo isso, a percepção é coletiva”, diz ele. 

 

A análise leva em consideração que a reforma trabalhista vai balizar o avanço do governo tanto na economia, quanto na política. Do lado econômico, é a reforma trabalhista que indicará a aceitação – ou rejeição – da reforma da Previdência, bem mais complexa, polêmica e essencial para o equilíbrio das contas públicas. No aspecto político, avalia Velloso, define o nível de apoio dos formadores de opinião e a sustentação política do governo de Michel Temer.

 

“O presidente hoje está numa posição em que precisa ganhar em todas as fases do jogo; na ponta política, venceu no Tribunal Superior Eleitoral (que rejeitou cassação da chapa Dilma-Temer e manteve o presidente no cargo), mas não pode se distrair na ponta econômica e não aprovar a reforma trabalhista. Em cada etapa desse jogo, ele precisa progredir milímetro a milímetro”, diz Velloso. 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02