• SINDEPRESTEM e FENASERHTT recebem amigos e parceiros em Almoço de Confraternização
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

16/06/2017 | Nova lei do ISS mantém concentração de recursos, dizem empresas - Folha de S.Paulo

Com a mudança no recolhimento do ISS (Imposto Sobre Serviços), a distribuição de receita entre municípios será limitada: só São Paulo deverá concentrar 40% da arrecadação nacional, calculam entidades do setor financeiro.

 

Doze cidades deverão receber 75% dos recursos, afirma José Ricardo Alves, presidente-executivo da CNF, confederação que reúne nove associações ligadas a finanças.

 

"Os demais 25% vão ser divididos entre mais de 5.000 municípios menores", diz.

 

No segmento de cartões, calcula-se que as 20 cidades com mais operações respondam por 60% das transações.

 

"Aprovou-se a regra com a promessa de resolver a falta de recursos das prefeituras, o que não vai ocorrer", diz Ricardo Vieira, diretor-executivo da Abecs, que representa as empresas de cartões.

 

Os impostos vão permanecer concentrados, mas o montante total vai crescer: hoje, algumas cidades oferecem taxas menores para atrair empresas, afirma Paulo Ziulkoski, presidente da CNM (confederação dos municípios).

 

Como a nova regra define que a cobrança será feita no local da prestação do serviço, e não na sede da empresa, não haverá atrativo para baixar o imposto, e todas cidades deverão passar a cobrar o máximo, que é de 5%.

 

A tributação deverá "mais que dobrar", afirma Vieira.

 

A CNM não fez um cálculo do impacto financeiro para as cidades, mas defende que mesmo um valor baixo tem relevância no orçamento de uma cidade pequena.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02