• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

02/06/2017 | Você está contratado - Folha de S. Paulo

 

As vagas de emprego efetivas ganharam espaço em relação às temporárias em 2017, segundo empresas de RH.

Desde janeiro deste ano, 43% dos postos criados foram permanentes, contra 22% no mesmo período de 2016, apontam dados da Luandre.

O motivo, porém, é que as datas que costumam criar vagas temporárias, como Páscoa e Dia das Mães, foram fracas para o varejo, diz Alex David, gerente da Randstad.

No primeiro quadrimestre, os empregos fixos cresceram 40%. Os sazonais ficaram estáveis, segundo a empresa.

Com a crise política, as vagas permanentes podem perder espaço, avalia Fernando Medina, diretor da Luandre. Em maio, a proporção já foi afetada: 73% das contratações foram temporárias.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02