• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

30/05/2017 | No fundo, todos estão no mesmo lado, o lado do Brasil - Folha de S.Paulo

Por Benjamin Steinbruch

 

Qualquer observador desarmado que olhe para o convulsionado Brasil de hoje dirá que o país precisa de conciliação.

 

Não há como sair da enrascada político-econômica em que se meteu sem um mínimo de entendimento entre as partes em conflito.

 

Tolerância e serenidade são virtudes a serem cultivadas mais do que nunca neste momento.

 

Não quero dizer que se deva fechar os olhos para malfeitos, que têm de ser rigorosamente apurados e punidos. Falo da necessidade de excluir o ódio e o radicalismo do cenário atual de disputa tanto pelo poder político quanto pela preponderância na forma de conduzir a economia.

 

O país precisa de reformas modernizantes, algumas já em andamento, e quase ninguém discorda disso. Os reformistas, porém, têm que entender que as mudanças são de grande magnitude.

 

A ideia criada é a de que façamos as reformas imediatamente. O Brasil está frágil, e não é hora de provas. Haverá graves danos, sem dúvida, se as reformas empacarem. Mas é possível estender um pouco mais o esforço reformista no tempo, para que as mudanças possam ser mais bem explicadas às pessoas e entendidas por aqueles que serão atingidos diretamente.

 

De outra parte, espera-se das forças que reagem radicalmente contra todas as propostas de reformas o bom senso para entender que o país, no médio e longo prazo, perderá a viabilidade se não puser em marcha desde já, de forma gradual, as mudanças modernizantes nas áreas trabalhista, previdenciária, tributária e política.

 

Posições extremistas, na economia e na política, levam sempre a decepções e fracassos. Políticas monetárias radicais como se adotou no país incham o setor financeiro, asfixiam o setor produtivo e impulsionam a recessão e o desemprego.

 

Seguidos e impiedosos cortes de gastos fazem encolher mais ainda a produção e, em consequência, reduzem as receitas do governo, o que acaba por exigir mais cortes, engrossando uma bola de neve nefasta para a economia.

 

Gastanças descontroladas, por outro lado, principalmente em despesas correntes, tendem a estimular a inflação, que corrói renda e salários principalmente das camadas mais pobres da população.

 

O objetivo maior do país, que se resume em desenvolvimento, criação de empregos e melhoria da condição de vida das pessoas, só será atingido se os vários lados da atual disputa abandonarem radicalismos e buscarem soluções negociadas que se enquadram nos limites legais e constitucionais.

 

Em 1977, a Espanha estava à beira do caos, com inflação elevada, desemprego e ameaças do retorno a um regime autoritário. Articulou-se então um acordo, do qual participaram governo, partidos, sindicatos, associações de empresários.

 

Todos fizeram concessões e assinou-se o conhecido Pacto de Moncloa, uma referência mundial em matéria de entendimento político e econômico bem-sucedido.

 

Não acho que o Brasil precise de algo tão grandioso quanto o pacto espanhol. Nem há clima para isso, e as circunstâncias são diferentes.

 

Neste momento, porém, quando parece se armar uma nova temporada de manifestações populares, é preciso que a ideia da conciliação esteja presente nas mentes das pessoas de bem.

 

Porque, na verdade, todos estão no mesmo lado, o lado do Brasil. 

 

 

* Empresário, diretor-presidente da CSN, presidente do conselho de administração e 1º vice-presidente da Fiesp.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02