• fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • 26 anos Novo
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • Câmara setorial
  • DOWNLOAD CARTILHA
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal

30/05/2017 | Para Meirelles, atraso na reforma prejudica expectativas do mercado - Folha de S.Paulo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, buscou minimizar um eventual atraso na aprovação da reforma da Previdência, algo que foi colocado em discussão por analistas e economistas após a crise política que engolfou o governo de Michel Temer. "Do ponto de vista fiscal, não serão um, dois, três, quatro ou cinco meses que farão diferença na aprovação da reforma da Previdência, afirmou. Ele ponderou, no entanto, que uma aprovação rápida da reforma é crucial do ponto de vista da formação das expectativas de empresários.

 

Em entrevista em evento em São Paulo nesta segunda-feira (29), preferiu citar como data para aprovação da reforma o mês de junho, como sinalizado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, antes do estouro da crise política.

 

Meirelles reconheceu que a maioria da população é contra a reforma, mas também minimizou o problema. Ele disse que a discussão tem que ser colocada não na base da perda de direitos, mas na de assegurar o recebimento de um benefício futuro. "Isso depende muito como se pergunta. Uma outra coisa é que a população está muito impactada pela crise", disse.

 

Segundo Meirelles, não há plano B para a reforma da Previdência e nem expectativas com relação à eventual mudança do projeto. Disse ainda que as reformas já aprovadas, como o teto de gastos, garantem a trajetória de crescimento no curto prazo, mas a da Previdência assegura a sustentabilidade desse quadro.

 

Ele afirmou ainda que acredita que o número de parlamentares que vão votar a favor da reforma é maior do que parece. "Eu digo ao parlamentar que vai disputar eleição o que é melhor: o Brasil crescendo, gerando emprego e inflação baixa ou desemprego maior e inflação maior com o voto contra a Previdência?", exemplificou.

 

CRESCIMENTO ECONÔMICO

 

Meirelles lembrou que o indicador do PIB do Banco Central, o IBC-Br, subiu 1,12% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior e a expectativa é que o dado do IBGE fique um pouco abaixo disso, o que considera algo "muito bom".

 

Segundo Meirelles, a economia estará crescendo 2,7% no quarto trimestre de 2017 em relação a igual período do ano anterior. Com relação aos juros, disse que o mercado discute um corte da taxa Selic de 1 ponto, 1,25 ponto ou 0,75 ponto percentual, mas disse que o mais importante é que "ninguém discute se o Banco Central vai subir ou descer a taxa". A redução do juro, disse, reflete a queda da inflação.

 

PRESIDÊNCIA

 

"Estou focado em botar o Brasil para crescer, disse Meirelles, ao responder se poderia, eventualmente, substituir Michel Temer em um governo de transição até 2018. "Eu não lido com hipóteses e sim com realidade".

 

Para ele, o seu cenário base é que Michel Temer conclua o seu mandato em 2018. "De nossa parte, fazemos reformas que extrapolam esse e outros mandatos", disse. "Não há espaço para voltar atrás".

 

BNDES

 

O pedido de demissão de Maria Silvia Bastos Marques da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e sua substituição pelo economista Paulo Rabello de Castro não muda nada, disse há pouco o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ele sinalizou, no entanto, que a recuperação econômica abre espaço para a retomada de empréstimos. "Agora, com o país e investimento crescendo, o BNDES vai cumprir o papel dele, disse, sem dar mais detalhes.

 

Para o ministro, Maria Silvia fez um "grande trabalho e é profissional competente". Segundo ele, a ex-presidente do BNDES mudou os critérios de crédito do banco e estabeleceu procedimentos operacionais importantes no banco de fomento.

 

Já Rabello de Castro é economista liberal e "acredita no mercado", disse. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02