• SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • Câmara setorial
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

20/05/2017 | 'Mercado quer alguém, não sei quem, com capacidade para tocar reformas' - Folha de S.Paulo

FLAVIA LIMA
DE SÃO PAULO
20/05/2017  02h00

Não está claro como as delações que atingiram o presidente Michel Temer afetarão a capacidade de articulação política do governo, mas há a percepção de que as reformas trabalhista e da Previdência podem ficar para depois das eleições presidenciais de 2018, diz o diretor de pesquisas para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos. Segundo ele, o mercado não personifica a questão. "Isso não é um 'love affair'."

Folha - O risco de as reformas não saírem ou serem diluídas é maior com ou sem Temer?

Alberto Ramos - Num cenário com Temer, a capacidade de articulação política diminui? Depende. Estamos falando das primeiras 48 horas do evento. Se a governabilidade tiver sido diluída de maneira irreversível, reduz-se a chance de aprovar as reformas ou de lutar por uma reforma com conteúdo robusto. Mas, num cenário alternativo, nada garante que o que vem depois [do governo Michel Temer] consiga tocar essas reformas.

Há a possibilidade de que elas só venham a acontecer depois de uma nova eleição, com mandato conferido nas urnas, e possivelmente se tenha que esperar até 2019.

O mercado já sabe o que seria melhor?

Essa é a pergunta que todo o mundo faz. O mercado não personifica a questão. Isso não é um "love affair".

O que o mercado quer é governabilidade –alguém, não sei quem, que tenha capacidade de tocar as reformas. Se essa capacidade é melhor com Temer ou sem Temer, o tempo dirá. A incerteza acaba impactando o próprio Congresso, que fica hoje mais focado em outros temas. No mínimo, essas reformas vão sair com algum atraso, o que em si já é um custo.

Como ficaria a economia sem as reformas ou se a sua discussão no Congresso for adiada por muito tempo?

Ficaria pior. As reformas são críticas para conter a expansão do gasto público. Sem elas, o teto do gasto vai ser difícil de ser observado. Hoje, há uma equipe econômica determinada a manter o fiscal bem disciplinado. Até que ponto a perda de governabilidade vai erodir essa determinação no dia a dia?

As incertezas sobre o futuro das reformas podem afetar as expectativas para a alta do PIB neste ano?

Esperava alta de 1,1%, e isso embutia um segundo semestre razoável. A crise política pode contaminar até parte do segundo trimestre. Não há dúvida de que um cenário diferente para câmbio, juros, indicadores de confiança e possivelmente o fiscal muda o cenário. Mudará muito mais 2018 e 2019, mas contamina 2017. A ver. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02