• SINDEPRESTEM e FENASERHTT recebem amigos e parceiros em Almoço de Confraternização
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

18/05/2017 | Crise ameaça travar reformas e alimentar incertezas no mercado - Folha de S. Paulo

JULIO WIZIACK
LAÍS ALEGRETTI
MARIANA CARNEIRO
DE BRASÍLIA
18/05/2017  02h00

Parlamentares da base aliada do governo e integrantes da equipe econômica avaliam que as reformas do presidente Michel Temer entram em estado de letargia até que eles tenham a dimensão exata do estrago provocado pelas delações dos executivos da JBS que atingem o presidente da República.

Isso porque está em jogo a própria sobrevivência do governo. Um auxiliar de Temer com amplo trânsito no Congresso considera que esse clima de incerteza pode durar semanas, atrasando bastante o ritmo de discussão das reformas trabalhista e previdenciária, por exemplo.

No calendário de Temer, as reformas passariam ainda no primeiro semestre. Agora, com as acusações da JBS, esse cronograma vai atrasar.

A situação das reformas ficou complicada porque, além do presidente Temer, as acusações dos executivos do frigorífico JBS também envolvem o senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos líderes do principal partido que apoia as reformas.

A incerteza também tomou conta de integrantes da equipe econômica que dialogam com o Congresso. Para eles, as discussões, que vinham em um ritmo acelerado, foram "por água abaixo".

Esse grupo diz que, se antes a batalha era conquistar votos explicando para deputados e senadores os efeitos das reformas, agora o foco é a auto-defesa.

Outros técnicos do governo são mais pessimistas e consideram que as reformas "subiram no telhado". Ou seja, correm o risco de não saírem do papel.

CONGRESSO

Até a noite desta quarta-feira (18), os aliados do presidente Michel Temer no Congresso ainda não contavam com o apoio dos 308 deputados necessários para aprovação da reforma da Previdência, que exige quórum maior por envolver mudanças na Constituição.

Na Câmara, diversos deputados acreditam que a discussão das reformas pode virar assunto do passado.

"Se a resposta do presidente não for convincente, a pauta passa a ser a situação do governo", disse o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG). "Se houver resposta convincente, continuamos o trabalho para colocar o país no rumo certo. Se a resposta não for convivente, muda a pauta. Deixa de ser reforma pra ver qual o governo que nós temos", disse.

Para o deputado Paulinho da Força (SD-SP), um aliado do governo que é crítico das reformas, as denúncias são graves e, depois delas, não há condição para que as reformas sejam discutidas no Congresso.

"A denúncia atinge diretamente o presidente da República", afirmou o deputado. "A gente fica até meio de boca aberta, sem saber o que fazer."

IMPACTO

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que estava no Palácio do Planalto no momento da divulgação da notícia da gravação, disse que Temer está "bastante triste com a situação" e defendeu que a atual turbulência não afete a agenda econômica.

"Será uma grande pena, uma grande tragédia para o país se essa situação vier a atrapalhar a situação econômica", afirmou Marun, presidente da comissão especial da reforma da Previdência na Câmara.

No entanto, integrantes da equipe econômica avaliam que a crise pode respingar no desempenho do governo que estava contando com a aprovação das reformas nos próximos meses, já com atrasos. A partir do segundo semestre, o debate político no Congresso fica centrado na campanha eleitoral de 2018, o que afeta a votação de assuntos polêmicos.

Neste cenário, haverá risco de impacto sobre as contas públicas, com reação negativa imediata do mercado financeiro. Isso porque a reforma da Previdência é considerada indispensável para que a dívida pública pare de crescer nos próximos anos. Sem isso, o país corre o risco de ter que aumentar impostos ou lidar com a volta da inflação alta. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02