• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

07/05/2017 | Na Espanha, reforma trabalhista gerou empregos, mas com salários baixos - Folha de S.Paulo

Cinco anos após promover uma reforma trabalhista, a Espanha colhe o resultado das mudanças. O desemprego recuou a um ritmo mais veloz que em recuperações econômicas do passado, mas os salários ficaram mais baixos.

O economista José Ignacio García Pérez, da Universidad Pablo de Olavide (Sevilha), que concedeu entrevista à Folha, concluiu, em estudo realizado para a Fedea (Fundación de Estudios de Economía Aplicada), que os desempregados espanhóis têm hoje mais chances de conseguir empregos de qualidade, mas a desigualdade no mercado de trabalho persiste.


EMPREGOS POR SALÁRIO


Os salários passaram a crescer menos e em muitos casos caíram. Estudos do Banco de Espanha e da OCDE atribuem esse efeito à reforma. Isso evitou que se seguisse destruindo empregos. Entre 2008 e 2012, foram destruídos 3 milhões de postos de trabalho. Depois de 2012, foi destruído 1 milhão.


As empresas que estavam pensando em demitir, quando lhes foi permitido baixar salários, puderam reduzir custos sem demitir.


CUSTO PARA DEMITIR


Na Espanha temos um mercado de trabalho dual. De um lado há os contratos fixos, e, de outro, os temporários. No primeiro caso, é muito difícil e custoso demitir. A empresa precisa pedir autorização à Justiça, e a indenização equivale a 45 dias de trabalho a cada ano trabalhado. Os temporários são muito flexíveis. O empresário pode contratar e demitir quando quiser, e as indenizações são baixas, equivalem a dez dias de trabalho a cada ano trabalhado.


Quando chega uma crise, as empresas mandam embora os temporários. Um dos objetivos da reforma foi aproximar as condições dos dois regimes. A indenização dos trabalhadores fixos foi reduzida para 33 dias, e a dos temporários, elevada para 12 dias.


APÓS A RECESSÃO


No estudo, estimamos como se comportaria a contratação sem a reforma. Se fosse como antes, a probabilidade de contratar um desempregado num contrato fixo seria de 1,7%. Com a reforma, subiu para 2,6%, um aumento de 51%. A probabilidade ainda é pequena. Demitir um fixo é três vezes mais caro. Por isso, as empresas seguem contratando temporários.


MAIS RÁPIDO


Esta recuperação está sendo mais intensiva em empregos. Mas os salários estão mais baixos. Isso foi bom em 2013 e 2014, pois interrompeu a destruição de postos de trabalho, mas agora tem efeitos negativos. Esses salários baixos estão fazendo com que o consumo das famílias não cresça como era de esperar. Elas não estão comprando carrros ou TVs. Para cessar isso, precisamos qualificar os desempregados, para que os salários possam subir. Mas, desse ponto de vista, a reforma não avançou. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02