• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

04/05/2017 | Renan opera contra governo e reforma trabalhista deve atrasar no Senado - Folha de S.Paulo

Um acordo que contou com a articulação de Renan Calheiros (PMDB-AL), líder do PMDB no Senado, atrasará em pelo menos um mês a votação da reforma trabalhista no plenário da Casa.

Vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) reviu sua previsão inicial e disse nesta quarta (4) que a tramitação levará de 45 a 60 dias após a inclusão de mais um colegiado para a discussão da pauta.

A conta inicial do governo do presidente Michel Temer era que o texto fosse aprovado em até 30 dias.

A declaração de Cunha Lima ocorreu horas após o presidente do Casa, Eunicio Oliveira (PMDB-CE) -em licença médica-, autorizar acordo com a oposição a Temer para que a reforma passasse, sem regime de urgência, também pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), além da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) e CAS (Comissão de Assuntos Sociais).

"Vamos ter 45 a 60 dias. Vai começar na CAE, com duas audiências públicas em conjunto com a CAS, isso leva duas semanas. Na sequência, segue para a CCJ e, por fim, chega à CAS para votação em plenário", disse Cunha Lima.

Inicialmente, líderes do Senado decidiram, em reunião sem Renan na terça-feira (3), que a reforma passaria apenas pela CAE e CAS, para acelerar a tramitação do texto.

O peemedebista, porém, atuou para que a reforma tramitasse também pela CCJ, presidida pelo senador Edison Lobão (PMDB-MA), seu aliado. A medida representa um risco ao governo, visto que o relator no colegiado para a proposta será indicado com influência do atual líder do PMDB, publicamente contrário às reformas trabalhista e da Previdência.

A postura de Renan fez com que o Planalto avaliasse que sua situação como líder do PMDB no Senado chegou a um "nível insustentável".

Na avaliação de auxiliares do presidente, o quadro chegou ao limite após o discurso do peemedebista contra a reforma trabalhista, na semana passada, somado à atuação do senador para que a proposta passe por mais uma comissão no Senado, sem regime de urgência, atrasando, assim, a tramitação do texto.

No fim da manhã desta quarta (4), Renan se reuniu com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e disse que era fundamental que a reforma trabalhista passasse pela CCJ.

Pouco depois, Cássio Cunha Lima telefonou ao senador Radolfe Rodrigues (Rede-AP) e sugeriu o acordo: a reforma trabalhista passaria por CCJ, CAS e CAE, desde que a oposição desistisse de votar requerimentos em plenário para que, além da CCJ, fosse incluída a Comissão de Direitos Humanos. Randolfe conversou com Renan e senadores do PT, que sinalizaram aceitar a proposta de três comissões, não quatro.

"O papel do Renan tem sido assegurar que o rolo compressor do governo enganche", disse Randolfe.

LIDERANÇA DO PMDB

Em rota de colisão pública com o governo Temer, Renan viu nesta quarta (4) uma articulação de colegas de bancada para tirá-lo da liderança do partido no Senado.

Nove senadores do PMDB, entre eles Jucá reuniram-se reservadamente para discutir a situação de Renan.

Senadores chegaram a aventar a possibilidade de fazerem uma reunião da bancada na noite desta quarta, mas Renan marcou a conversa para a próxima semana.

Pelo menos metade da bancada peemedebista diz que não tem sido ouvida por Renan e que o líder expõe suas opiniões contrárias ao governo sem consultá-los. 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02