• Fatos & Notícias
  • Palavra do presidente
  • BOLETOS ON-LINE
  • app do sindeprestem
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

11/06/2018 | Executivos latino-americanos estão prontos para trabalhar em outro lugar - Valor Econômico

Prontos para encontrar outro emprego, de preferência em uma empresa maior, e interessados em trabalhar em outro país. Esse é o perfil dos altos executivos com atuação em companhias na América Latina, mapeado em um levantamento da consultoria em recrutamento Hays. 

A maioria dos profissionais ouvidos (63%) pretende dar o próximo passo na carreira em até dois anos, e 30% espera fazê-lo entre três e cinco anos. Para 36% dos executivos, esse avanço representaria trocar de empresa por uma organização maior do que a atual, enquanto 27% apostam em ocupar um cargo com responsabilidade regional. Quase um quarto (24%) visa atuar em conselhos de administração - cerca de 35% já ocupam uma cadeira em colegiados - e 12% veem como próximo passo abrir o próprio negócio.

O levantamento foi feito com quase 500 altos executivos do Brasil, Colômbia, México e Chile, a maioria com mais de uma década de experiência em cargos de liderança. Cerca de um terço do total são profissionais que atuam no Brasil. 

O bolso e o desafio profissional são os elementos mais citados como motivadores para uma mudança de emprego, por cerca de 60% cada. Pouco mais de 40% dos respondentes acham que seu pacote de remuneração não está alinhado com o mercado. A remuneração variável (82%) e o salário base (72%) são os elementos da compensação que mais contam para os executivos, embora o plano médico seja o segundo benefício mais valorizado (59%), depois do bônus (88%).

A grande maioria (88%) dos respondentes está interessada em trabalhar em outro país, e o diretor executivo da Hays no Brasil, Jonathan Sampson, vê um aumento no interesse de companhias em contratar executivos de outros países. "Os empregadores brasileiros não estão competindo por  talento só com empregadores locais" diz Sampson. Embora as oportunidades de expatriação - quando o profissional vai atuar em uma operação da mesma empresa em outro país por um período temporário - estejam minguando por causa dos altos custos, há uma abertura maior nas empresas para recrutar profissionais estrangeiros afim de atender a demanda por executivos com as habilidades desejadas.

"As características chaves que as empresas estão buscando são flexibilidade, agilidade, integridade e a habilidade de se comunicar em um ambiente global e explicar o cenário local para os stakeholders de fora", diz Sampson. Entre os respondentes da pesquisa, 96%  falam inglês no contexto profissional. A habilidade de resolver problemas (82%), comunicação efetiva (68%), capacidade de se adaptar a mudanças (60%) e a flexibilidade (38%) estão entre as habilidades consideradas essenciais para executivos, segundo os próprios respondentes. A ética foi o valor mais citado (91%).

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02