• Banner eSocial - Fatos e Notícias
  • Evento Manaus
  • Banner Propostas
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • Palavra do presidente

18/05/2018 | Aumenta o número de trabalhadores subutilizados no 1º tri - Valor Econômico

O mercado de trabalho costuma reagir com certa defasagem ao desempenho da atividade econômica, mas uma série de indicadores do primeiro trimestre deste ano, divulgados ontem pelo IBGE, não deixa dúvida sobre o início de ano mais fraco que o previsto do emprego, segundo avaliam economistas. 

Conforme divulgado ontem pelo IBGE, o país tinha 27,7 milhões de trabalhadores subutilizados no primeiro trimestre deste ano, 1,2 milhão a mais do que nos três meses imediatamente anteriores. Trata-se do maior contingente da série da pesquisa, iniciada em 2012. A taxa de subutilização subiu assim de 23,6% para 24,7% no período. 

O conceito de subutilização - também conhecido como desemprego ampliado - abrange trabalhadores desempregados, subocupados por insuficiente de horas (trabalham menos de 40 horas semanais, mas gostariam de trabalhar mais) e pela força de trabalho potencial (pessoas que não buscam emprego, mas estão disponíveis para trabalhar). 

"Tudo o que acontece no mercado de trabalho é reflexo do cenário econômico, da instabilidade política, da falta de segurança de investidores para aplicar e fazer com que a engrenagem comece a rodar e a gerar postos de trabalho", disse Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, ao apresentar o resultado da pesquisa. 

Dessa força de trabalho desperdiçada, 5,5 milhões de pessoas moravam no Estado de São Paulo e 3,3 milhões no Estado da Bahia. Em proporção ao total de pessoas com 14 anos ou mais de idade, as maiores taxas de subutilização estavam na Bahia (40,5%) e Alagoas (38,2%). No Estado de São Paulo era 21% da população em idade ativa. 

Outra medida da piora do mercado de trabalho ano vem das estatísticas de desalento. O país tinha 4,6 milhões de pessoas que não procuravam emprego por entender que não conseguiram obtê-lo, seja por acharem "não ter experiência", ser "muito jovem ou idosa" ou outros fatores. São 278 mil pessoas a mais em relação ao fim de 2017. 

Esse aumento do desalento tem relação com a recuperação mais lenta da atividade e da falta de oportunidades de empregos formais, de acordo com Cosmo Donato, economista da LCA Consultores. "São movimentos que podem, inclusive, ter implicações de longo prazo sobre o mercado de trabalho, com a informalidade e o emprego precário vindo para ficar", disse ele.

Além do avanço da subutilização e do desalento, os indicadores mostraram que o desemprego cresceu no país em todas as faixas etárias no primeiro trimestre, mas foi novamente mais cruel com a parcela jovem da população. O número de desempregados de 14 a 24 anos de idade cresceu para 5,6 milhões de janeiro a fevereiro, 600 mil pessoas a mais em  relação ao fim do ano passado (+11,9%).

Como divulgado pelo IBGE no mês passado, a taxa de desemprego no país foi de 13,1% no primeiro trimestre deste ano, 1,3 ponto percentual acima do verificado no fim do ano passado. O indicador piorou porque 1,5 milhão de postos de trabalho foram fechados nos três primeiros meses deste ano. Ontem, o órgão detalhou esse resultado por regiões e outras características.

A taxa de desemprego costuma crescer no início dos anos por fatores típicos do periodo, com a dispensa de trabalhadores temporários contratados no fim do ano anterior. Os números do primeiro trimestre dividem economistas, porém, em relação até que ponto a piora reflete o comportamento sazonal. Para o Itaú, retirados esses efeitos, o desemprego ficou estável em 12,5%. Para a LCA, cresceu a 12,6%.

Sergio Vale, economista da da MB Associados, está entre os que acreditam que a taxa de desemprego cresceu para além da sazonalidade. Para ele, isso seria coerente com os dados decepcionantes de atividade econômica em fevereiro e março. Ele acrescentou, contudo, que indicadores de emprego formal do Ministério do Trabalho mostram "resultado bem melhores".

"Eu diria que há uma contratação começando a aparecer, mas a palavra que serve para a atividade serve também para o emprego: lentidão. A essa altura esperava-se uma taxa de desemprego um pouco melhor, de fato. Essa expectativa de crescimento bem moderado ao longo do ano também impede uma reação maior do emprego", disse Vale. 

Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), disse a expectativa é que o emprego formal, com carteira de trabalho assinada, volte a aparecer ao longo do ano. Para ele, os dados mais fracos do primeiro trimestre não significam uma interrupção da recuperação do mercado de trabalho.

"Os números do primeiro trimestre não estão bons, mas comparados há um ano você tem ainda a geração de 1 milhão de vagas", disse Barbosa Filho. "Também não acho que o desalento tenha tido um papel relevante na redução da taxa de desemprego de uma ano para cá, como algumas análises sugeriram". 

Um dos indicadores mais preocupantes da pesquisa seria o chamado desemprego de longa duração, disse o pesquisador do Ibre/FGV. Esse grupo é formado por pessoas que buscam emprego há um ano ou mais, de forma ininterrupta. Eram 5,292 milhões de pessoas nessas condições no primeiro trimestre, 5% a mais em relação ao fim do ano passado (5,029 milhões). "São pessoas que terão mais dificuldade de regressar ", disse ele.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02