• Banner eSocial - Fatos e Notícias
  • Evento Manaus
  • Banner Propostas
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • Palavra do presidente

15/05/2018 | Vamos construir moradias decentes para o brasileiro e, ao mesmo tempo, criar empregos

Por Benjamin Steinbruch

Empresário, diretor-presidente da CSN e primeiro vice-presidente da Fiesp.

 

O incêndio e o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, há duas semanas, expuseram o drama habitacional do país. Com mais ou menos ênfase, esse foi o destaque dos principais jornais no dia seguinte à tragédia do Paissandu.

Destaque correto. São Paulo, uma das cidades mais ricas do país, tem um déficit aproximado de 360 mil moradias e 1,2 milhão de famílias vivendo em situação que as autoridades chamam de "precária". São favelas com casas construídas de restos de madeira, casarões antigos, cortiços e prédios abandonados e sem nenhuma estrutura, como o Wilton Paes de Almeida.

O incêndio no Paissandu, centro histórico de São Paulo, abalou os paulistas e todo o Brasil. Mas, a bem da verdade, tragédias como essa, infelizmente, são frequentes na maior metrópole do país. Não passa um ano sem que haja um grande incêndio em favelas paulistanas. Famílias perdem tudo o que têm e são transferidas pelo poder público de um lado para outro da cidade, para moradias precárias, muitas vezes às margens de riachos poluídos e ao lado de depósitos de lixo.

Em todo o país, o déficit habitacional atinge 7 milhões de moradias. Será tão difícil enfrentar esse problema ou falta vontade política?

Habitação, na verdade, é um problema crônico no país. Neste momento, porém, em que a retomada do crescimento econômico se tornou vital para a estabilidade brasileira, inclusive política e social, a correção desse problema abre a oportunidade de estimular um setor importantíssimo da economia.

O pesadelo recorrente no Brasil de hoje é o desemprego, que atinge, angustia e humilha mais de 13 milhões de pessoas. O setor da construção é sabidamente o que mais cria empregos. Estima-se que trabalhem para a construção, de forma direta ou indireta, 13 milhões de brasileiros, curiosamente um número idêntico ao dos desempregados.

A construção ou a reforma de casas e prédios demandam muitos trabalhadores especializados ou não —os robôs ainda não assentam tijolos, não pintam paredes nem elaboram projetos arquitetônicos. Ao mesmo tempo, ativam-se setores de materiais de construção, ferro, cimento, tintas, vidros, tubos, alumínio etc. E há, também, impacto direto nos setores de móveis e eletrodomésticos.

Portanto, além de atender à demanda de moradias (novas e reformadas), a construção impulsiona uma cadeia gigante da economia, que inclui ainda o saneamento básico, importante para a saúde da população.

O PIB do setor da construção civil teve quatro anos seguidos de queda, de 2014 a 2017. Nesse período, a produção recuou quase 25% em termos acumulados, ou seja, o setor perdeu um quarto de seu porte. Mais de 1,2 milhão de trabalhadores do segmento foram jogados ao desemprego só no ano passado, embora o PIB geral tenha crescido um pouco, 1%.

Não vale o discurso de que não há dinheiro para essas obras. BNDES, Fundo de Garantia, Caixa, Banco do Brasil e bancos privados têm grandes volumes de recursos não aplicados e que podem ser destinados à construção civil com um estalar de dedos. Importante: com juros civilizados.

A estimativa do setor é que, para cada R$ 1.000 investidos na construção civil, R$ 250 retornam aos cofres públicos em forma de impostos.

Em dez anos, de 2015 a 2025, segundo estudo da Fundação Getulio Vargas, se nada for feito, o déficit habitacional deverá crescer para 14,5 milhões de domicílios. Vamos construir moradias decentes para os brasileiros e, ao mesmo tempo, criar empregos. Dois coelhos com uma só cajadada!

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02