• Banner eSocial - Fatos e Notícias
  • Evento Manaus
  • Banner Propostas
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • Palavra do presidente

03/05/2018 | Como as empresas podem contribuir para transformar a educação do país – O Estado de S.Paulo

Educação é uma daquelas causas que praticamente toda a sociedade tem algum tipo de relação direta ou indireta. Se você tem filhos, estará preocupado(a), no mínimo, com os primeiros 20 anos da formação do rebento. Se você é uma liderança, com certeza está sempre buscando profissionais competentes e habilidosos.

O nível de educação também está diretamente ligado à produtividade e ao valor agregado na economia de um país. Existe uma clara correlação entre a formação educacional de um país e o bem-estar e riqueza de uma sociedade.

Então, se queremos progredir como sociedade, precisamos melhorar os investimentos em educação. Parece simples, mas o assunto é complexo. Acompanhe esse recorte do investimento privado na educação do Brasil.

Se considerarmos que as empresas têm cada vez mais o papel de contribuir e devolver para a sociedade parte da sua riqueza, nada mais óbvio do que elas se envolverem diretamente nesta causa. E é exatamente por isso que a educação tem sido, há vários anos, a área com maior participação dos investidores sociais do campo privado no Brasil.

De acordo com o Censo GIFE 2017, que entrevistou 116 organizações, no setor privado, 84% afirmam atuar nesta área. Em 2016 foram investidos R$ 2,9 bilhões pelo setor, o que representa cerca de 3% dos 89 bilhões do orçamento do governo para 2018. Nos EUA, o setor privado investiu o equivalente a 219 bilhões de reais.

Tenho o privilégio de discutir educação por vários aspectos. Tenho uma grande curiosidade intelectual, me considero uma aprendiz nata, sou mãe de 3 filhos (minha amostragem pessoal vai do infantil ao fundamental II) e também tenho acesso aos principais problemas e desafios da educação no país ao desenvolver iniciativas com empresas, sempre buscando ampliar políticas públicas.

 

É neste contexto que recomendo um investimento ainda mais consistente e transformador para os negócios. E como as marcas gostam de praticidade, preparei um guia com 5 passos para contribuir com a transformação da educação do Brasil:

1. Descubra o seu propósito

Reflita com seu time por que quer transformar a educação do país. Pode ter relação ou não com o negócio. Não importa a motivação. Tudo é válido e existem problemas para vários tipos de solução. O importante é se envolver de forma genuína.

2. Defina o que quer transformar

Problemas não faltam, então conheça minimamente os principais desafios. Pense na sua cadeia de valor e veja como a educação pode minimizar impacto negativo e potencializar os impactos positivos.

Escolha um território específico. Empresas de tecnologia combinam com aprendizagem STEM (Science, Technology, Engineering, Math) e empreendedorismo. As mineradoras, agronegócio ou extração de qualquer recurso natural, tendem a investir em meio ambiente, ciências, educação básica e profissionalizante no entorno das operações. A indústria de alimentos deveria se concentrar na educação alimentar e assim, cada um na sua, podemos caminhar mais rápido.

 

Com o tema escolhido, o próximo passo é deixar os objetivos claros, com indicadores mensuráveis, e o investimento financeiro precisa ser garantido por pelo menos 3 anos.

3. Estabeleça como vai ser a intervenção

Uma construção diversa envolvendo stakeholders estratégicos e especialistas garante resultados mais eficientes. Aproveite seus principais assets (pessoas, tecnologia, produto, conhecimento) para potencializar a iniciativa.

Segundo o Censo GIFE, oferecimento de cursos de capacitação e treinamento é uma estratégia frequentemente usada. 55% dos programas o fazem, seguido por atendimento direto, promoção de eventos, seminários, palestras e publicações, ações realizadas por cerca da metade das iniciativas.

Aproximadamente, 40% fazem assessoria técnica, articulação de redes e campanhas de mobilização, enquanto 3 em 10 produzem conhecimento, apoiam produções e formam lideranças.

4. Saiba como escalonar a iniciativa

Medir e melhorar os programas com foco em educação tem sido uma prática cada vez mais comum. 84% dos programas têm monitoramento, 64% têm avaliação de resultado e 24% são objetos de avaliações de impacto. Já 53% dos programas têm algum tipo de parceria com órgãos da administração pública direta, tais como as Secretarias Estaduais ou Municipais de Educação, diretorias regionais de ensino ou mesmo o Ministério da Educação.

Responsável por cerca 45 milhões de crianças, adolescentes e jovens, a escola pública é o foco da maioria das iniciativas desenvolvidas pelos respondentes que implementam ou apoiam programas na área. Estes elementos confirmam a crescente e amadurecida parceria entre os setores para formularem políticas públicas.

5. Compartilhe seus resultados e conquistas

Algumas intervenções conseguem excelentes resultados, com mudanças de comportamento já nos primeiros 6 meses de execução. Histórias transformadoras e emocionantes brotam frequentemente deste tipo de iniciativa. Entretanto, vale a máxima do storydoing antes do storytelling. É preciso ser, agir e depois falar.

Ah, e os Millennials e a geração Z também querem ver as marcas envolvidas com a melhoria da educação do país e estão dispostos a participar da revolução juntos com as marcas e seus principais influencers.

Com eficiência, criatividade, consistência, persistência, ou seja, muita resiliência, você e a sua empresa vão se orgulhar de contribuir verdadeiramente para o desenvolvimento sustentável do seu negócio e da sociedade como um todo.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02