• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Sindeprestem participa de evento sobre Reforma Trabalhista no Uruguai
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • Trabalho Temporário é ferramenta importante contra o desemprego, afirma Vander Morales em fórum
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • No Sindeprestem, Lívio Giosa defendeu protagonismo empresarial e representatividade política do setor de Serviços
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

08/03/2018 | Abertura comercial manteria ou elevaria emprego em 48 de 57 setores - Folha de S. Paulo

Automóveis, maquinário, couro, têxteis e vestuário seriam os setores mais afetados

A abertura comercial da economia traria maior crescimento para o país, afetando um número limitado de setores e de regiões, indica relatório da SAE (Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência).

Automóveis, maquinário, couro, têxteis e vestuário seriam os setores mais afetados pela liberalização, com as maiores perdas de postos de trabalho. Ao mesmo tempo, o grupo também registraria as quedas mais significativas de preços, favorecendo consumidores e elevando a competitividade internacional.

Não por acaso, são esses os segmentos com maior proteção comercial efetiva --que inclui não só tarifas de importação cobradas, mas também o grau de proteção registrado na cadeia até o produto final.

Entre as regiões, os maiores impactos seriam sentidos no Vale do Itajaí (SC), Sul da Bahia e noroeste cearense --todas com níveis de proteção tarifária muito altos.

Para chegar às conclusões, o estudo parte de um cenário livre de todas as tarifas hoje aplicadas em 57 setores.

Em 20 anos de abertura, 48 setores oscilariam da variação nula à alta de emprego. Em petróleo e gás, por exemplo, a alta seria de 1,5%.

Na outra ponta, equipamentos eletrônicos, automóveis e peças, maquinário e bebidas e tabaco teriam redução de até 0,5% do emprego. No setor de couro, a queda passaria de 1% e, em têxteis e vestuário, chegaria a 2%.

PREÇOS

A eliminação de tarifas mexeria também nos preços, reduzindo o nível geral em 5%.

Nos setores muito protegidos, porém, essa queda seria maior, passando de 10% em vestuário e bebidas e encostando em 16% nos têxteis.

Nesse cenário, diz o estudo, empresas menos competitivas não sobreviveriam, levando os trabalhadores a migrarem para outros setores.

Ao longo de todo o processo, três milhões de trabalhadores teriam de mudar de setor, com grandes fluxos observados em especial no interior de São Paulo, Paraná, Pará, Rondônia e Roraima.

Segundo a SAE, uma redução das tarifas médias brasileiras e uma maior abertura ao comércio internacional aumentaria o grau de eficiência da economia e de níveis de bem-estar. O movimento, no entanto, deveria ser acompanhado de uma política de requalificação da mão de obra.

Em um grupo de 24 economias em desenvolvimento, a liberalização comercial foi seguida por um alta média do crescimento econômico de 2% ao ano em países como Chile, Paraguai, Uruguai, Indonésia e Coreia do Sul.

O Brasil, diz a SAE, tem nível de comércio internacional ao redor de 25% do PIB, o que o coloca à frente apenas do Sudão entre os países mais fechados do mundo.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02