• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Sindeprestem participa de evento sobre Reforma Trabalhista no Uruguai
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • Trabalho Temporário é ferramenta importante contra o desemprego, afirma Vander Morales em fórum
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • No Sindeprestem, Lívio Giosa defendeu protagonismo empresarial e representatividade política do setor de Serviços
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

24/02/2018 | Novidades e modismos no mundo do trabalho – O Estado de S.Paulo

Como temos visto, há uma verdadeira sofreguidão para eliminar atitudes preconceituosas em qualquer das ações vinculadas à gestão de pessoas. E, há dois anos, aproximadamente, estamos ouvindo e lendo sobre algumas práticas utilizadas no processo de recrutamento de pessoas para as organizações, principalmente nos países desenvolvidos. Em minha pesquisa, descobri que o governo australiano produziu um estudo vasto e profundo sobre o assunto e em todas as áreas do governo (14 agencias federais) o recrutamento deve ser anônimo.

O assunto é, então, “recrutamento cego”, ou “recrutamento às escuras”. No Brasil, isso se intensificou. E o que vem a ser isso? Resumidamente é a ocultação de qualquer dado relativo às pessoas recrutadas que podem levar a identificação de gênero, idade, etnia, e até o nome, pois se tornou comum dizer que o nome, além de identificar o gênero (às vezes não), mostra classe ou camada social, e até etnia à qual a pessoa pertence. Até a instituição em que a pessoa se formou some do currículo, porque, dizem, é um dos maiores elementos que podem levar a preconceitos na escolha dos candidatos.

Caminha-se, no recrutamento, até um determinado ponto só tendo informações sobre as habilidades, experiências e entregas do candidato. E, obviamente, e obrigatoriamente, em determinado momento, há que se “conhecer” o indivíduo em entrevistas para identificar atitudes e comportamento, e a adequação do mesmo com a cultura organizacional.

 

Os efeitos positivos parecem ser claros…Eliminam-se, à princípio, os vieses inconscientes e discriminatórios presentes em cada um de nós. Mas há pontos a serem discutidos e o principal é demorar muito tempo para encontrar pessoas ajustadas à cultura da organização. Pode ser que ao chegar ao final do recrutamento não haja ninguém com as características ideais para aquela empresa.

 

Mas, sem dúvida, é um avanço, muito aplaudido pelos hipsters e descolados, apesar do que diz uma amiga, competente e reconhecida profissional na área: as pessoas fazem confusão entre discriminação e preconceito, e o recrutamento é por si só discriminatório.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02