• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Sindeprestem participa de evento sobre Reforma Trabalhista no Uruguai
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • Trabalho Temporário é ferramenta importante contra o desemprego, afirma Vander Morales em fórum
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • No Sindeprestem, Lívio Giosa defendeu protagonismo empresarial e representatividade política do setor de Serviços
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

05/02/2018 | Emprego 'sem carteira' cresce no Sudeste e chega a 38% do país - Valor Econômico

Motor da geração do emprego no país no ano passado, o trabalho informal - sem carteira assinada ou sem registro de pessoa jurídica - cresceu em ritmos díspares nas diferentes regiões. De acordo com estudo da FGV Projetos, obtido pelo Valor, enquanto avançou fortemente no Sudeste, acima da média nacional, a informalidade perdeu peso no estoque total de empregados no Norte, por exemplo. 

Segundo o levantamento, o Sudeste gerou um milhão de empregos informais entre o fim de 2016 e o terceiro trimestre do ano passado. Isso significa que dois em cada três empregos informais surgidos no país no período (1,46 milhão) estão na região. O número de trabalhadores sem carteira ou registro na região aumentou em 8% no Sudeste, para 14 milhões, representando 38% do total nacional.

Ricardo Simonsen, economista da FGV Projetos, explica que o movimento em direção à informalidade no Sudeste foi liderado por ramos dos serviços, que absorveram 497 mil trabalhadores. Já os setores de construção civil (192 mil) e indústria (112 mil) tiveram o maior crescimento proporcional de informais no Sudeste ao longo do período.

"A confiança dos empresários ainda não foi completamente restaurada na recuperação econômica. Então, eles não contratam. Desta forma, é natural que o emprego apareça agora mais fortemente pela informalidade", diz Simonsen, que desenvolveu a pesquisa com os especialistas de projetos Eduardo Rosseti e João Augusto Batista.

Assim, o emprego sem registro passou a representar fatia maior do mercado de trabalho do Sudeste - e 32,2% para 34,3% entre o fim de 2016 e o terceiro trimestre de 2017. O peso cresceu menos no Sul (de 32,1% para 33,3%), Centro-Oeste (de 36,6% para 37,5%) e Nordeste (de 53,5% para 53,8%). No Norte, caiu de 56,4% para 55,6%. Na média nacional, 40,6% dos trabalhadores eram informais, acima dos 39,4% do fim de 2016.

O trabalho informal é associado a atividades precárias, sem garantias trabalhistas e de menores salários. Na média nacional, um trabalhador registrado ganha 2,3 vezes mais que o sem carteira. Isso explica uma discrepância encontrada pela pequisa da FGV - embora represente 40,6% das pessoas ocupadas, a informalidade responde por apenas 23,2% da massa salarial, que foi de R$ 188,14 bilhões no terceiro trimestre do ano passado. Para chegar aos números, a FGV Projetos usou microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua).

As regiões Norte e Nordeste seguem com os maiores proporções de trabalhadores informais no país. Segundo Rosseti, isso é explicado por questões estruturais na região, como o histórico de baixa escolaridade, defasagem industrial, agricultura pouco profissionalizada e concentração de jovens, que mais frequentemente se insere no mercado por meio de atividades informais.

O estudo mostra ainda que as atividades de agropecuária e construção civil têm elevada incidência de ocupações informais, na média nacional. Do total de ocupados (empregados, empregadores, conta próprias), 79% são informais na agropecuária, 69% na construção civil, 53,5% em serviços, 38,1% no comércio e 29,3% na indústria.

"Mas essas taxas variam pelas regiões. No Centro-Oeste, a informalidade é de 54,9% na agricultura, o menor percentual entre as regiões. Isso porque tem uma atividade mecanizada e não familiar. No Sul, a informalidade chega a 81,4% no setor. Apesar disso, muito agricultores do Sul são associados a cooperativas. Isso é interessante porque,embora informais, uma parcela considerável é contribuinte da Previdência Social", afirma Rosseti.

 

 

 

 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02