• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Banner Reforma Tributária
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

02/02/2018 | Instabilidade e medo, lidando com o futuro do trabalho, por Claudia Costin - Folha de S. Paulo

A extinção massiva de postos de trabalho, dada a crescente automação de atividades rotineiras, tem trazido grandes incertezas, semelhantes em dimensão, com o que ocorreu no passado durante a Revolução Industrial. Como sabemos que os luddistas, os quebradores de máquinas do início do século 19, tiveram pouco sucesso em interromper o curso da história, cabe à sociedade pensar em formas de se preparar para o futuro do trabalho.

Não é por acaso que o tema do T20, o encontro de "think  tanks" ou centros de pesquisa dos países que integram o G20 que ocorre esta semana em Buenos Aires, é o futuro do trabalho. Na mesmo sentido, o próximo relatório da OIT (Organização Internacional do Trabalho), a ser lançado em novembro, também se debruça sobre o assunto.

O cenário pode ser catastrófico: segundo Carl Frey e Michael Osborne, pesquisadores da Universidade de Oxford, até 2030, cerca de 2 bilhões de empregos serão extintos. Não é necessário mencionar os milhares de postos de condutores de ônibus, táxi ou metrô que perderão seus empregos com o carro autodirigível, a abertura da loja da Amazon sem pessoas operando o caixa ou os funcionários de telemarketing que já vêm sendo substituídos por gravações de artistas de renome, para se ter a dimensão do que pode ocorrer em poucos anos.

Isso obriga os países a repensar sua educação. Sim, novos empregos serão criados, mas demandarão competências distintas das que hoje dispõe boa parte da força de trabalho existente no mundo, o que demanda dois tipos de ação: a preparação das novas gerações que ainda não estão no mercado de trabalho e o retreinamento de trabalhadores que não só aprenderam o seu ofício, mas terão que aprender a lidar com um futuro em que trabalhos podem ser extintos de tantos em tantos anos.

O ecossistema educacional, no caso brasileiro, terá que enfrentar a questão da ainda baixa qualidade da educação básica em competências cognitivas essenciais, como letramento, interpretação de textos e raciocínio matemático elementar, ao mesmo tempo em que torna possível a aquisição de habilidades próprias para os tempos que vivemos, como colaboração, solução criativa de problemas e o protagonismo de sua própria aprendizagem. Para tanto, as próprias instituições educativas terão que se reinventar, pois claramente não serão as universidades e escolas tradicionais que darão conta desse novo contexto e de suas demandas.

O preço a ser pago pela inação e falta de "aggiornamento" institucional será maior instabilidade e sofrimento social. E como sabemos, instabilidade gera medo, um péssimo conselheiro em assuntos de cidadania e um parceiro frequente de populismos de todos os tipos.

É professora da FGV e professora-visitante de Harvard. Foi diretora de Educação do Bird, secretária de Educação do Rio e ministra da Administração.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02