• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Sindeprestem participa de evento sobre Reforma Trabalhista no Uruguai
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • Trabalho Temporário é ferramenta importante contra o desemprego, afirma Vander Morales em fórum
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • No Sindeprestem, Lívio Giosa defendeu protagonismo empresarial e representatividade política do setor de Serviços
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

26/01/2018 | Brasil perde 20 mil vagas de emprego formal em 2017, confirma Caged - Valor Econômico

O Ministério do Trabalho confirmou nesta sexta-feira o fechamento de 328.539 vagas com carteira assinada em dezembro segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que haviam sido noticiados pela imprensa nos últimos dias com base em informações obtidas com fontes que não quiseram ser identificadas. No ano, o saldo ficou negativo em 20.832 vagas.

Apesar de negativos, os números de dezembro são os melhores para o mês desde 2007 — quando houve perda líquida de 319.414 vagas — e do que a expectativa mais otimista entre os analistas consultados pelo Valor Data. A expectativa média do mercado era de um corte de 408 mil vagas, num intervalo que ia de 351 mil a 460 mil, ambos negativos. 

O número do mês é resultado de 910.586 admissões ante 1.239.125 desligamentos. Os números principais do Caged haviam sido informados pela Folha de S.Paulo e confirmados pelo Valor na segunda e na terça-feira desta semana. 

No ano, apenas três dos oito setores registraram aumento de vagas. O setor que mais criou posições foi o Comércio, com saldo positivo de 40.087, seguido por Agropecuária (37.004) e Serviços (36.945). Os segmentos da Construção Civil e da Indústria da Transformação registraram saldo negativo de 103.968 postos e 19.900, respectivamente. Também registraram perdas os setores de Extratividade mineral (menos 5.868 vagas no ano), Serviços Industriais de Utilidade Pública (menos 4.557 vagas) e Administração Pública (menos 575 vagas).

O saldo no ano é resultado de 14.635.899 admissões e 14.656.731 desligamentos. 

Considerando apenas o mês passado, sete dos oito setores de atividade econômica apresentaram perda no nível de emprego no mês. Teve desempenho positivo apenas o Comércio, com criação de 6.285 vagas no mês. Por outro lado, apresentaram saldos negativos, os setores Extrativo mineral (perda de 2.330 vagas no mês), Indústria de transformação (menos 110.255 vagas), Serviços de Indústria de Utilidade Pública (menos 1.808), Construção Civil (menos 52.157 vagas), Serviços (menos 107.535 vagas), Administração Pública (menos 16.400 vagas) e Agropecuária (menos 44.339 vagas).

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02