• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

17/11/2017 | Texto da reforma trabalhista não deve ser aprovado integralmente, dizem deputados - O Globo

BRASÍLIA - Pouco conhecida na Câmara dos Deputados, onde será votada antes de seguir para o Senado, a medida provisória (MP) que altera pontos da reforma trabalhista terá uma tramitação difícil na Casa, principalmente no caso da jornada intermitente. A avaliação é de líderes da base governista e da oposição, que apontam o atual momento político como fator de impedimento para a aprovação de medidas tidas como impopulares. Ninguém aposta que o texto será aprovado integralmente.

- Acredito que há pontos que devem contar com a concordância da Câmara, mas não na sua integralidade - disse o líder do DEM, Efraim Filho (PB).

- Tudo hoje é difícil na Câmara. Nada tem tranquilidade para passar - confirmou Marcos Montes (MG), líder do PSD, partido ao qual é filiado o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

O líder do PMDB, Baleia Rossi (SP), ponderou que o assunto ainda não foi discutido na Câmara. Mas argumentou que, se for para melhorar o texto, não haverá problema na aprovação da MP.

A Câmara não participou da confecção da MP. A medida foi negociada entre Senado e Palácio do Planalto, para que senadores aprovassem a reforma tal qual havia passado pelos deputados, ou seja, sem mudanças. Tal procedimento irritou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que defendia projeto de lei.

Líder do PSB na Câmara, Júlio Delgado (PSB-MG) acredita que a MP prejudicou as discussões da reforma trabalhista. Porém, ele avalia que a medida será votada, ao contrário de outras propostas, como a reforma da Previdência.

- A MP atende um pouco a questão das mulheres, mas a jornada intermitente é difícil de aceitar. Por fim, terá luta, mas eu acho que esta ainda pode ser votada. Outras reformas acho quase impossível.

Carlos Zarattini (SP), líder do PT, acredita que a MP piora a situação dos trabalhadores. E adianta que seu partido está disposto a apresentar emendas para mudar a medida provisória.

- Pretendemos fazer várias emendas para recuperar os direitos dos trabalhadores, principalmente dos intermitentes. Vamos tentar fazer com que o trabalhador intermitente receba um salário mínimo.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), líder de seu partido, julga que, caso o texto principal da reforma trabalhista seja aprovado, o Brasil estará entre os países mais injustos com os trabalhadores. Ela acrescentou que a MP promove uma redução parcial de alguns danos da proposta original, mas que o reparo não é proporcional.

- O texto ainda é muito agressivo. Vamos buscar reduzir o dano ao máximo e postergar a votação para que ela fique mais próxima às eleições e seja possível amolecer o coração de Temer.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02