• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

11/11/2017 | Navegar é preciso – O Estado de S.Paulo

Artigo de Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho

 

Bom dia! Sejam bem-vindos ao futuro! 

 

É dessa forma que cumprimentamos os brasileiros no dia de hoje, data em que entra em vigor a lei da modernização trabalhista. De fato, com a nova lei o futuro finalmente chegou.

 

Sabemos que a ideia de futuro traz o receio do desconhecido, gerando natural insegurança. Mas o desconhecido um dia se conhece, e o futuro sempre acaba chegando. 

 

Contudo, ignorando isso, algumas pessoas se agarram com unhas e dentes a ideias do passado, pensando que o mero estado de coisas lhes deixará seguras. Grande engano.

Deveras, como dizia Fernando Pessoa, “Navegar é preciso...”.

 

E foi com esse espírito, e sob a orientação do presidente Michel Temer, que no ano passado começamos a nos aventurar em “mares nunca dantes navegados”, iniciando a costura política que originou o projeto de modernização da legislação trabalhista, hoje a Lei n.º 13.467. Como bem disse o presidente na solenidade de assinatura do Projeto de Lei n.º 6.787, a expectativa era que essa fosse a mais difícil de todas as reformas, dado o potencial de litígio envolvendo a matéria. Entretanto, naquele dia 22 de dezembro de 2016 – em solenidade no Palácio do Planalto que teve a presença de cinco das seis maiores centrais sindicais e as três maiores confederações patronais brasileiras –, entregamos ao Congresso Nacional um projeto de lei fruto do consenso, em que constava a mais importante cláusula de modernização das relações trabalhistas no Brasil desde o advento da instituição da CLT em 1943.

 

Com efeito, com a inclusão do artigo 611-A na CLT começamos um novo tempo no Brasil. Em um artigo e treze incisos do projeto original iniciávamos uma revolução, adotando a premissa da autocomposição dos conflitos trabalhistas com o prestígio à negociação coletiva. Foi dada vida ao texto constitucional, que dita no seu art. 7.º, XXVI, ser direito dos trabalhadores rurais e urbanos “o reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho”, sendo esse o verdadeiro núcleo duro da reforma. Nesse sentido, foi incluída no projeto disposição orientando o intérprete da lei, quando do exame dos acordos e convenções coletivas, a se ater preferencialmente aos aspectos formais dos ajustes, modo de se preservar o princípio da prevalência da autonomia coletiva, consagrado pelo plenário da Suprema Corte quando do julgamento do RE n.º 590.415, o qual teve repercussão geral reconhecida.

 

Além disso, foram modernizados os regimes de trabalho temporário e em tempo parcial, houve o aumento das antes irrisórias multas pelo não registro de empregados e o atendimento a uma reivindicação histórica dos trabalhadores no sentido de regulamentar a sua representação no local de trabalho. 

 

Um admirável mundo novo diante de nós se descortina, com a inclusão do Brasil no rol dos países que adotam o primado da negociação coletiva como o farol que ilumina as relações de trabalho. Estados Unidos, França, Holanda e Alemanha, nações que por sua riqueza atraem trabalhadores do mundo inteiro.

 

A nova lei confere aos trabalhadores a liberdade de escolher a melhor forma de usufruir seus direitos, mantendo-se absolutamente íntegra a rede de proteção constitucional aos direitos trabalhistas. Ademais, por meio da fidelização dos contratos de trabalho, diminuiremos imensamente a litigiosidade nas relações laborais e o risco dos empreendedores, promovendo assim a tão almejada segurança jurídica, nota distintiva entre o desenvolvimento econômico e social perene e o subdesenvolvimento crônico. 

 

Com o novo ambiente de negócios estabelecido criaremos milhões de empregos, certamente o maior de todos os direitos sociais, e sem o qual não existe dignidade para pais e mães de família. 

 

Enfim, foram esses os três eixos norteadores de nossa atuação e da própria modernização trabalhista: consolidar direitos, promover a segurança jurídica, gerar empregos.

 

Temos o sentimento de dever cumprido.

 

Realmente, navegar é preciso!

*Ronaldo Nogueira é ministro do Trabalho

 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02