• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

28/09/2017 | Para especialista, nova lei trabalhista vai exigir profissional mais organizado e flexível - Folha de S.Paulo

Reforma das leis trabalhistas exigirá funcionários mais flexíveis


A reforma das leis trabalhistas mudará profundamente a relação entre profissionais e empresas e exigirá funcionários mais flexíveis, capazes de se adaptar ao novo cenário, afirma Fernando Azar, sócio-líder de gestão de obrigação de terceiros da consultoria Deloitte.

Especializado em prestar suporte em legislação trabalhista às organizações, Azar diz que o horário comercial que rege a maioria das empresas vai acabar. Benefícios como banco de horas e home office serão tão importantes quanto remuneração na hora de contratar.

Sancionada em julho, a reforma entra em vigor em novembro alterando diversos pontos da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

São mais de cem mudanças que interferem diretamente no dia a dia das empresas -as quais os novos profissionais terão que ter em mente na hora de ingressar no mercado de trabalho.

"Flexibilidade é a palavra-chave. É uma mudança de paradigma e todos terão que estar abertos a ela, sejam empregados, empresas ou sindicatos", diz Azar.

Folha - Como a reforma trabalhista deve alterar a relação entre as empresas e seus funcionários?

Fernando Azar - A principal diferença está nas negociações de benefícios. Banco de horas, duração da jornada, horas extras ou o home office são alguns dos pontos que poderão ser acordados entre a empresa e seus funcionários, independentemente do que determina a CLT. São flexibilidades que não existiam antes e abrem um leque grande de negociação. As empresas vão poder utilizá-las até como forma de atrair profissionais, da mesma maneira como usam hoje a remuneração ou a oferta de cursos e benefícios.

Quais características serão necessárias ao profissional nesse novo cenário?

O profissional terá que ser mais flexível a mudanças. Não será mais como é hoje, em que as regras estão ditas na lei, segue-se aquilo e pronto. Ganha-se uma dose maior de responsabilidade, porque quando algo for acordado, será necessário respeitar e seguir daquela forma. Flexibilidade é a palavra-chave. Estamos falando de uma mudança de paradigma e todos terão que estar abertos a essa mudança, sejam empregados, empresas ou sindicatos.

E como essa flexibilização da legislação deve afetar a rotina nos escritórios?

Depende muito da atividade. Mas, como eu disse, é uma mudança de paradigma. O horário comercial será mais flexível também, com as cobranças se voltando mais para realizações de tarefas do que simplesmente para o horário de trabalho. Isso significa que o profissional deve ser mais organizado para conseguir administrar sua rotina de trabalho com a vida pessoal. Já as empresas e os chefes terão que entender que as tarefas não serão mais entregues às 17h. Podem ser feitas a qualquer momento e de qualquer lugar.

Em quais setores estas mudanças se aplicam com maior intensidade?

Claro que há atividades que dependem de mais interação com as pessoas ou com a empresa. Um serviço de telemarketing precisa funcionar no horário comercial, mas há muitos trabalhos que não demandam essa rotina, como a produção de um relatório ou a preparação de uma tradução. Mas é possível flexibilizar em várias frentes. Na indústria, o trabalho a distância pode não funcionar, mas o horário do almoço ou as folgas de feriado deverão ser negociadas.

Em quanto tempo devemos começar a sentir estas mudanças na prática?

No primeiro semestre de 2018 começam as rodadas de negociações coletivas com os sindicatos e já será possível ter as primeiras impressões. Para saber como será o entendimento do Judiciário, o que ainda causa insegurança nas empresas, será preciso ao menos dois a três anos, até os primeiros processos. Mas estamos falando de mudanças também comportamentais, e isso demora bem mais para se consolidar.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02