• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

11/09/2017 | Bancos aumentam custo para abrir a renegociação de dívidas de empresas - Folha de S.Paulo

A média das tarifas que os bancos cobram de empresas que têm dívidas e precisam renegociar os termos cresceu 90%, em valores nominais desde agosto 2015, apontam dados do Banco Central.

O valor médio hoje é de de R$ 1.552, contra R$ 818 em 2015 e R$ 1.138 em 2016.

Essa tarifa é geralmente cobrada de empresas que ficaram inadimplentes e precisam renegociar os termos, e não de pessoas jurídicas que forem quitar suas dívidas ou levá-las a outros bancos.

A coluna procurou Itaú, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal para obter os valores efetivamente arrecadados, mas nenhuma instituição respondeu com os dados. O Bradesco não cobra essa taxa.

A política de tarifas varia muito de acordo com as empresas, segundo um executivo de banco. A alta tem como função sinalizar às empresas que estão próximas à inadimplência que há custo para negociar novas condições, diz.

Para renegociar com um cliente é preciso enviar o documento ao departamento jurídico e não há garantia que a empresa vai pagar em dia mesmo depois do acerto, afirma Ricardo Rocha, professor de finanças do Insper.

Há também uma tendência de as instituições arrecadarem mais com o conjunto de tarifas, diz Claudia Yoshinaga, vice-coordenadora do centro de finanças da Fundação Getulio Vargas.

"Elas passaram a ser relevantes, com a vantagem de não empatar capital como as concessões de empréstimos."

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02