• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

30/08/2017 | Quanto mais postergarmos a Reforma da Previdência, mais intensa ela será, diz Caetano – O Estado de S.Paulo

 O secretário de Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse que, quanto mais a Reforma da Previdência Social demorar, mais duras terão de ser as mudanças no futuro.

 

"A reforma previdenciária se faz necessária para garantir a sustentação do regime. Se não fizermos nada, vamos ter dificuldade e, quanto mais postergarmos, mais intensa terá de ser a reforma", afirmou.  

Caetano participa nesta quarta-feira, 30, de audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados para debater o montante do déficit da Previdência Social e dívidas de teor previdenciário, entre outros assuntos. 

 

 

O secretário ressaltou que, em 2016, 13,1% do Produto Interno Bruto (PIB) foi destinado ao pagamento de benefícios previdenciários, montante que tende a crescer ao longo dos anos se não forem feitas mudanças.

 

"Não é somente uma questão de futuro, é também uma questão de presente. Não é uma questão conjuntural, há uma tendência histórica de crescimento do déficit do regime geral da Previdência", afirmou. 

 

Caetano apresentou dados mostrando a queda na taxa de fecundidade de 4,1 filhos por mulher nos anos 1980 para 1,9 filho atualmente e também o aumento da sobrevida da população, o que tende a elevar o tempo de recebimento dos benefícios e reduzir o número de contribuintes.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02