• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

23/08/2017 | Setor de serviços pressiona contra reforma do PIS/Cofins - Folha de S. Paulo

Associações empresariais do setor de serviços vão se reunir nesta quarta-feira (23) com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para pressionar contra uma reforma isolada do PIS/Cofins.

O maior temor das companhias é a migração do regime cumulativo para o não cumulativo —que, na prática, implicaria em uma alta de impostos, diz Amábile Pacios, do Fórum das Entidades de Ensino Superior Particular.

No regime não cumulativo, usado por grandes indústrias, a alíquota é mais alta. A taxa maior, porém, é compensada: a compra de insumos sobre os quais já incidem PIS/Cofins gera créditos, que são descontados do valor total.

Em empresas de prestação serviços, porém, esse abatimento não seria tão benéfico, pois a maior parte dos gastos é com mão de obra, que não gera créditos.

O setor vai defender uma reforma tributária integral, mesmo que ela não seja aprovada ainda neste governo, afirma Luiz Ferrari, diretor do Fehoesp (federação de hospitais e clínicas).

"Com uma mudança ampla, pode haver compensações em outros impostos, e as empresas de serviços não seriam tão afetadas. No caso de hospitais, por exemplo, 50% do gasto é com salários, não temos como abater tanto."

A repercussão negativa do aumento de tributos de combustíveis deverá frear novas altas, diz Roberto Nogueira, consultor da presidência da CNC (câmara do comércio). "Mas, no desespero fiscal, pode passar qualquer coisa."

ENTENDA

Sistemas de recolhimento do PIS/Cofins

Sistema cumulativo

> Alíquota total: 3,65% sobre receita bruta

> Empresas com mão de obra intensiva (educação, saúde, segurança informática, telecom, construção etc) + maioria das empresas de pequeno e médio porte

Sistema não cumulativo

> Alíquota total: 9,25% sobre receita bruta

> O valor sofre descontos: a compra de insumos sobre os quais já incidem PIS/Cofins geram créditos, que são abatidos do total

> Empresas de maior porte, da indústria e do comércio

Qual a proposta?

Empresas de serviços teriam que migrar para o sistema cumulativo, mas não teriam como abater o valor total

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02