• SINDEPRESTEM e FENASERHTT recebem amigos e parceiros em Almoço de Confraternização
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

10/08/2017 | Construção civil reduz postos de trabalho pelo 33º mês seguido - Valor Econômico

O emprego na construção civil brasileira caiu 0,39% em junho, na comparação com maio, 33º mês de baixa consecutiva, de acordo com levantamento do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP).

Foram fechadas 9.675 vagas no mês e o número de trabalhadores no setor caiu para 2,457 milhões. Na comparação com junho de 2016, houve retração de 11,37%. Em relação a outubro de 2014, quando se iniciou a queda, foram cortados 1,113 milhão de empregos.

A pesquisa, feita em parceria com a FGV, se baseia em informações do Ministério do Trabalho. Ontem, o Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged), informou que a construção civil teve saldo positivo de 724 empregos formais em julho.

A atividade do setor de construção continua muito baixa e sem perspectivas de retomada com impacto no emprego, afirma o presidente do Sinduscon-SP, José Romeu Ferraz Neto. "As obras de infraestrutura estão paradas. As de construção de residências dependem de emprego, renda e crédito, que não deslancharam. Não vejo melhora no curto prazo", afirma.

Em junho, na comparação com maio, os segmentos que mais demitiram foram obras de acabamento (-0,85%) e obras de instalação (-0,82%). Apresentaram alta no mês infraestrutura (0,64%) e engenharia e arquitetura (0,40%). Em 12 meses, as maiores baixas são imobiliário (-14,88%), obras de acabamento (-12,55%) e preparação de terreno (-11,60%). 

Houve redução de empregos em três regiões: Sul (-0,85%), Nordeste (-0,46%) e Sudeste (-0,46%). Norte e Centro-Oeste registraram altas, de 0,82% e 0,33%, respectivamente. 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02